A maior flexibilidade mental de crianças bilíngues

Claudio Macedo
09/02/2016

Placa bilíngue em Bruxelas, onde holandês e francês são línguas oficiais. Crédito: Ejk81 / Wikimedia Commons.
Placa bilíngue em Bruxelas, onde holandês e francês são línguas oficiais. [1]
Pesquisadores estudaram o desempenho de 39 crianças bilíngues (nativas em inglês e francês) e de 43 monolíngues (nativas em inglês) em tarefas que exigem habilidade de resolver problemas. Testes foram aplicados em dois momentos: quando as crianças estavam com 24 meses de idade e, sete meses depois, aos 31 meses. Ficou evidenciado no trabalho [2] que as crianças bilíngues superam as monolíngues nas tarefas apresentadas e que, dentre as bilíngues, aquelas que adquirem mais equivalentes de tradução (palavras em dois idiomas com o mesmo significado) mostram melhor desempenho.

Quando a pessoa é bilíngue ela adquire experiência em inibir uma língua enquanto está usando a outra. Essa capacidade de alternar entre os sistemas de linguagens fortalece a habilidade de atenção seletiva e a flexibilidade mental. O melhor desempenho dentre os bilíngues (daqueles com maior número de equivalentes de tradução), reforça a interpretação de que é o exercício de alternar entre os sistemas de linguagens que faz a diferença, pois nestas pessoas a exigência cognitiva de troca de palavras é intensificada.

O que podemos concluir desse trabalho [2] é que o aprendizado e o uso frequente de um segundo idioma só trazem vantagens: além de expandir as oportunidades pessoais pela facilidade de comunicação, reforça a capacidade mental de resolver problemas e superar dificuldades.

É interessante observar que metade da população do mundo fala duas ou mais línguas [2]. Portanto, ao se colocar uma criança para aprender uma segunda língua, está se dando a ela a oportunidade de desenvolvimento mental que dezenas de milhões de outras crianças do mundo estão tendo ao mesmo tempo. [3]

[1] Crédito da imagem: Ejk81 (Photograph: Own work) [Public domain], via Wikimedia Commons. URL: https://en.wikipedia.org/wiki/Multilingualism#/media/File:Brussels_signs.jpg.

[2] C Crivello et al. The effects of bilingual growth on toddlers’ executive function. J Exp Child Psychol 141, 121 (2016).

[3] Artigo relacionado: Os idiomas mais influentes do mundo.

Como citar este artigo: Claudio Macedo. A maior flexibilidade mental de crianças bilíngues. Saense. URL: http://www.saense.com.br/2016/02/a-maior-flexibilidade-mental-de-criancas-bilingues/. Publicado em 09 de fevereiro (2016).

Artigos de Claudio Macedo     Home

Publicado por

Claudio Macedo

Claudio Macedo

Doutor em Física. Divulgador de Ciência. Professor da Universidade Federal de Sergipe (1976-2016). Escreve sobre Temas Variados da Ciência no Saense.

2 comentários sobre “A maior flexibilidade mental de crianças bilíngues”

  1. Mesmo sabendo de todos esses benefícios, o ensino de uma segunda língua no Brasil é muito negligenciado… (nem sei qual o ensino que não é)… ensinam inglês e espanhol nas escolas como se fosse uma obrigação e o ensino em escolas específicas também não é de todo eficiente… tenho esperança de que percebem que só com a educação poderemos evoluir enquanto cidadãos…
    Excelente texto, muito obrigada por compartilharem essas informações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.