Dilemas da oncologia moderna: rastreamento, sobrediagnóstico e sobretratamento

Carlos Anselmo Lima
27/06/2016

Estrutura do PSA (Antígeno Prostático Específico). [1]
Estrutura do PSA (Antígeno Prostático Específico). [1]
Pelo conceito simplista, o câncer é entendido como uma doença com curso natural fatal. Essa definição se torna verdadeira quando o paciente tem seu diagnóstico a partir dos sinais e sintomas clínicos. Quando o diagnóstico for precoce, a cura real pode ser alcançada. O diagnóstico antes dos sinais e sintomas pode ser obtido através de práticas de detecção precoce, ou rastreamento. Aplicam-se testes para detectar o câncer em uma população aparentemente sem câncer. Definem-se grupos e faixas etárias específicas para entrar nos programas de rastreamento, usualmente por meio de políticas públicas.

Por outro lado, o diagnóstico em fase subclínica traz alguns dilemas de conduta oncológica porque o termo câncer engloba anormalidades celulares com curso natural largamente variável e envolve detecção de lesões que podem ter crescimento rápido, progressão lenta, parada do crescimento e, até mesmo, regressão. Para algumas lesões assim detectadas, o tratamento empregado é, às vezes, considerado abusivo, ou sobretratamento, visto que pode causar dano pelas complicações produzidas.

Muitas lesões detectadas não são passíveis de progressão para causar sintomas, nem levar à morte, como em muitos tumores de tireoide; ou mesmo a progressão acontece tão lentamente que o paciente morre por outras causas antes de desenvolver o sintoma, como ocorre no caso dos tumores de próstata. Essas lesões são chamadas de indolentes e configura o que se chama de sobrediagnóstico. Existem pesquisas que explicaram o curso natural desses tumores [2].

Existem benefícios a partir da prática de rastreamento! Baseado na hipótese de que o câncer tem um curso progressivo e gradual, diagnosticar cedo serve para diminuir a mortalidade. O rastreamento dos tumores de cólon e reto e do colo do útero detecta as lesões pré-cancerígenas, impedindo a transformação, portanto diminui a detecção de casos novos de câncer, ou a incidência. Para a mama e a próstata, detecta-se verdadeiramente os casos de câncer, assim posto, aumento da incidência, mas com pouco impacto nas estatísticas de mortalidade. O benefício vem da detecção de lesão escamosa do colo uterino e pólipos adenomatosos colônicos, que não são câncer, mas podem progredir.

Para as lesões indolentes, o benefício é questionável, principalmente se houver complicações do diagnóstico e do tratamento. Geralmente se morre com elas e não delas. Desenvolveu-se então o conceito de lesões IDLE – Lesões Indolentes de Origem Epitelial, as quais, como são indolentes, têm mais probabilidade de detecção por rastreamento; contudo, tem baixo risco de metástases. O diagnóstico dessas lesões contribui para o sobrediagnóstico e as abordagens terapêuticas, para o sobretratamento. Exemplos dessas lesões são encontrados na mama, próstata, tireoide e até pulmão [3].

Para o câncer de tireoide, o aumento da incidência se dá pela detecção de tumores papilíferos de menos de 2 cm, utilizando-se a ultrassonografia e a punção por agulha fina. No entanto, a mortalidade é muito baixa. O rastreamento do câncer de próstata apresenta o maior risco de sobrediagnóstico e sobretratamento, visto que aos 60 anos, o risco de câncer oculto é de 50-60% e que se tratado, a sobrevida específica é de 99% e 97% aos cinco e dez anos respectivamente. No entanto, existe uma alta taxa de complicações sexuais, urinárias, gastrointestinais e sepses com o diagnóstico e tratamento. A discussão atual é reclassificar muitas dessas lesões para IDLE, ou seja, não câncer. Para a mama, existe a detecção de tumores menos agressivos em 30% dos casos, sem, contudo, se determinar o impacto do sobrediagnóstico ainda. Propõe-se, no caso, o emprego de marcadores moleculares para evitar tratamentos com quimioterapia, radioterapia e cirurgias maiores [3].

Há propostas para evitar o sobrediagnóstico, como sejam: diminuir a indicação de biópsia; provavelmente modificar as estratégias de rastreamento, privilegiando aquelas baseadas no risco; concentrar o rastreamento em centro de grande volume; e identificar indivíduos para os quais o não rastreamento seja a melhor conduta. A mudança da prática torna-se um grande desafio, já que também existe dano causado pela ansiedade, pelo medo da recidiva improvável e pelos efeitos do tratamento. É sensato evitar meios de diagnósticos não necessários, aumentar o intervalo do rastreamento necessário, e evitar que sejam feitas orientações para biópsias nos laudos [2].

Por fim, não procuramos eliminar o rastreamento, mas individualizar suas aplicações e avaliar o custo-benefício, porque o sobrediagnóstico, segundo H. Gilbert Welch [4], causa doença às pessoas pela procura de saúde.

[1] Crédito da imagem: EAS (Own work) [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons. URL: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:PSA_KLK3_PDB_2ZCK.png.

[2] JR Bhatt and L Klotz. Overtreatment in cancer – is it a problem? Expert Opin Pharmacother 17, 1 (2016).

[3] S Srivastava et al. Research Needs for Understanding the Biology of Overdiagnosis in Cancer Screening. J Cell Physiol 231, 1870 (2016).

[4] HG Welch et al. Overdiagnosed: making people sick in the pursuit of health. Beacon Press (2012).

Como citar este artigo: Carlos Anselmo Lima. Dilemas da oncologia moderna: rastreamento, sobrediagnóstico e sobretratamento. Saense. URL: http://www.saense.com.br/2016/06/dilemas-da-oncologia-moderna-rastreamento-sobrediagnostico-e-sobretratamento/. Publicado em 27 de junho (2016).

Artigos de Carlos Anselmo Lima     Home

Publicado por

Carlos Anselmo Lima

Carlos Anselmo Lima

Doutor em Ciências da Saúde. Cirurgião cancerologista do Hospital de Urgências de Sergipe e do Hospital Universitário / Universidade Federal de Sergipe. Coordenador do Registro de Câncer de Base Populacional de Aracaju. Escreve sobre Câncer no Saense.

8 comentários sobre “Dilemas da oncologia moderna: rastreamento, sobrediagnóstico e sobretratamento”

  1. Excelente artigo e muito esclarecedor, mas se pudesse traduzir alguns termos para o publico leigo teria maior alcance. E uma sugestao.

  2. Excelente , querido colega. Precisa divulgar mais essas informações. O simples diagnóstico de câncer já apavora!????????????????????????

  3. Obrigado Dra. Dorcas. Sem dúvida são informações que já estão sendo discutidas no mundo. Precisamos também difundi-las por aqui!

  4. Prezada Simone, obrigado pelo comentário. Considero nossa obrigação informar de modo objetivo e didático.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.