A alma material

Leonardo Nogueira Matos
26/08/2016

Ilustração de capa do livro “Eu, robô”, contos de ficção científica de Isaac Asimov. [1]
Ilustração de capa do livro “Eu, robô”, contos de ficção científica de Isaac Asimov. [1]
Durante os anos 1980 ocorreu a publicação do livro Cosmos [2], do astrofísico norte-americano Carl Sagan, que se tornou bastante popular por ter sido transformado em uma série de TV para divulgação de ciência. No capítulo intitulado “A Persistência da Memória”, o autor realiza uma interessante discussão a respeito da memória dos seres vivos, de sua capacidade e engenhosidade para guardar com grande eficiência o conjunto de informação necessário para a sobrevivência do indivíduo. O capítulo leva à tona também uma relação intrigante entre seres vivos e máquinas ao contabilizar em bytes, medida de informação tipicamente empregada para mensurar memória de computadores, os programas executados nos sistemas biológicos como, por exemplo, um espirro. O espirro é algo que aprendemos involuntariamente, está armazenado em nossos circuitos neurais e, como tal, é passivo de ser medido pela mesma métrica empregada na mensuração de programas de computador. Nessa perspectiva, o espirro é, também, um programa, a codificação de um algoritmo. O capítulo discorre por último sobre outros programas biológicos interessantes, como o codificado no RNA dos vírus e as canções das baleias, e alerta sobre a importância das ações de conservação ambiental na preservação do rico e desconhecido repertório de informação que a natureza oferece e que mal começamos a explorar.

Nos anos 1990, a SBC (Sociedade Brasileira de Computação) iniciou um programa de incentivo a publicação de livros nas diversas subáreas da Computação, dando oportunidade para vários professores de universidades brasileiras divulgar o conhecimento em suas áreas disciplinares. Este programa, na sua concepção inicial, não durou muito tempo mas abriu oportunidade para publicação do livro de Inteligência Artificial [3] do professor Guilherme Bittencourt, da Universidade Federal de Santa Catarina. O livro, além de ter um bom conteúdo técnico, aborda as questões motivacionais de forma extremamente didática. Uma das seções, denominada “A alma material”, também traz à tona uma analogia entre o sistema natural e artificial, entre o cérebro e o computador, e compara ambos sob um prisma materialista, tal como no livro de Carl Sagan. No entanto, neste segundo, o autor vai mais além pois sugere que todo o conjunto de memórias, sentimentos e emoções, isto é, a própria alma e essência do ser possui uma representação material. Seríamos nós, então, um produto do que está programado em nossos sistemas neurais naturais? Isto põe sob outra perspectiva a dualidade entre corpo e espírito. Somos uma alma e temos um corpo, ou somos um corpo e temos uma alma?

Enquanto questões filosóficas dessa natureza não são resolvidas, a ciência segue inabalavelmente seu caminho. Existem em curso diversas pesquisas tratando da ligação entre os sistemas naturais e artificiais para processamento de dados, como próteses de membros que respondem aos comandos do pensamento, marca-passos que escutam o estímulo nervoso proveniente do cérebro e acionam a contração do músculo cardíaco, dentre outros que tem contribuído para melhorar a qualidade de vida de uma grande quantidade de pessoas. No bojo destas pesquisas, uma delas, particularmente interessante, foi divulgada recentemente no sítio de notícias na web da revista Exame [4]. Trata-se do armazenamento de um grande volume de dados em DNA sintético. Pesquisadores da Microsoft conseguiram armazenar em filamentos de DNA cerca de 200 MB de dados, o que incluía 100 clássicos da literatura e um vídeo da banda americana OK Go. Embora não sinalize o fim da era do silício na microeletrônica, nem o anúncio de que computadores terão alma no futuro, experimentos como este confirmam que máquinas para processamento de dados criadas pelo homem se aproximarão cada vez mais daquelas criadas pela natureza.

[1] Crédito da imagem: Chris Drumm (Flickr) / Creative Commons (CC BY 2.0). URL: https://www.flickr.com/photos/cdrummbks/3547872915/.

[2] C Sagan. Cosmos. Ballantine Books (1985).

[3] G Bittencourt. Inteligência Artificial: Ferramentas e Teorias. Editora da UFSC (1998).

[4] M Demartini. Microsoft consegue armazenar vídeos e livros em DNA humano. Exame. URL: http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/microsoft-consegue-armazenar-videos-e-livros-em-dna-humano. Publicado em 10 de julho (2016).

Como citar este artigo: Leonardo Nogueira Matos. A alma material. Saense. URL: http://www.saense.com.br/2016/08/a-alma-material/. Publicado em 26 de agosto (2016).

Artigos de Leonardo Nogueira Matos     Home

Publicado por

Leonardo Nogueira Matos

Doutor em Engenharia Elétrica. Professor da Universidade Federal de Sergipe. Escreve sobre Reconhecimento de Padrões e Processamento de Imagens no Saense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.