Claudio Macedo
11/08/2016

Comportamento humano. [1]
Comportamento humano. [1]
Situações socialmente relevantes que envolvem interações estratégicas entre as pessoas são muito comuns. Exemplos dessas interações incluem dilemas sociais
em que o indivíduo enfrenta um conflito para decidir entre o interesse pessoal e o interesse coletivo.

Pesquisadores espanhóis e italianos estudaram o comportamento de pessoas de diferentes idades, níveis educacionais e status sociais diante de uma variedade de situações virtuais que exigiram escolhas estratégicas. A pesquisa envolveu 541 pessoas que voluntariamente aceitaram participar de quatro jogos diádicos: dilema dos prisioneiros (prisoner’s dilemma), caça ao veado (stag-hunt), gavião-pomba (hawk-dove) e harmonia (harmony).

A análise da atuação dos voluntários nos jogos permitiu aos autores concluir que todos os indivíduos podem ser enquadrados em um número limitado de fenótipos comportamentais: invejoso (30% da população), pessimista (21% da população), otimista (20% da população), confiante (17% da população) e indefinido (12% da população).

O invejoso é um tipo de pessoa essencialmente competitiva, que sempre visa superar o outro. Ele não é cooperativo quando sente algum risco de ficar com recompensa menor do que a de outros. Otimistas e pessimistas são indivíduos que não se preocupam com o desempenho dos outros. Eles escolhem em suas vidas diárias estratégias sociais centradas nos próprios egos. O confiante é um indivíduo que se comporta sistematicamente de forma socialmente cooperativa. Já o indefinido é um indivíduo imprevisível que apresenta um comportamento errático, ora se enquadrando em um dos fenótipos, ora em outro.

A identificação desses fenótipos comportamentais básicos certamente contribuirá enormemente para o estudo do comportamento humano em situações sociais reais e poderá trazer implicações na formulação de políticas sociais e econômicas da vida real. Poderá ser aplicado, por exemplo, na construção de cenários de decisões políticas e em gestão de instituições e empresas.

Além disso, a pesquisa abriu relevantes linhas de investigação para o futuro. Por exemplo, a pesquisa apontou que a classificação fenotípica é independente de idade e de gênero. Enquanto a falta de dependência de gênero é razoável, é surpreendente que as crianças exibam comportamentos com classificação semelhante à dos adultos.

[1] Crédito da imagem: geralt (Pixabay) / Creative Commons CC0. URL: https://pixabay.com/en/system-network-news-personal-571182/.

[2] J Poncela-Casasnovas et al. Humans display a reduced set of consistent behavioral phenotypes in dyadic games. Science Advances 2, e1600451 (2016).

Como citar este artigo: Claudio Macedo. As quatro características comportamentais que definem as pessoas. Saense. URL: http://www.saense.com.br/2016/08/as-quatro-caracteristicas-comportamentais-que-definem-as-pessoas/. Publicado em 11 de agosto (2016).

Artigos de Claudio Macedo     Home