Monitoramento de procedimentos de assistência ao paciente reduz taxa de infecção hospitalar

Pesquisa para Inovação
21/03/2018

[1]
Em 2017, as equipes de UTI e do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) da Santa Casa de São Carlos realizaram diversas ações para diminuir os índices de infecção hospitalar. Uma dessas medidas foi a implantação em 10 leitos de uma unidade de UTI Adulto do SUS de um sistema de controle do atendimento ao paciente desenvolvido pela i-Healthsys Produtos Médicos Ltda., em São Carlos, com o apoio do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da FAPESP.

O sistema monitora procedimentos de assistência e de higienização das mãos, auxiliando a equipe médica e de enfermagem na implementação de boas práticas assistenciais. Em cinco meses, a pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV), uma das infecções que mais afetam pacientes em UTI no Brasil, caiu de 46 casos por mil pacientes em ventilação-dia para 8,8 casos por mil pacientes, uma queda de mais de 80%. E, nesse mesmo período, não houve nenhum caso de infecção do trato urinário devido ao uso de sonda e o consumo de álcool gel aumentou mais de 400%.

A queda nas taxas de infecção hospitalar trouxe uma vantagem adicional: a redução do tempo de permanência na UTI, possibilitando a admissão de mais pacientes no mesmo período. “A disponibilidade de leitos aumentou em torno de 40% comparado com o mesmo período de 2016. Do ponto de vista da gestão pública esse aumento tem um impacto enorme, pois foi possível aumentar a disponibilidade de leitos de UTI para melhor atender à população do município”, diz Marcelo Prado, doutor em Engenharia Mecânica pela Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo.

O sistema da i-Healthsys teve como base uma tecnologia disponível desde 2013, desenvolvida em parceria com um hospital privado de referência na cidade de São Paulo. “Empregamos uma tecnologia de transmissão de dados sem fios denominada zigbee, uma alternativa mais econômica do que o wi-fi”, explica Prado. Os sensores ficam instalados nos crachás da equipe médica, nos leitos dos pacientes e nos dispensadores de álcool gel. Quando o profissional da equipe se aproxima para atender o paciente, acende-se uma luz vermelha na cabeceira do leito, para lembrá-lo de higienizar as mãos. Ao utilizar o álcool gel, a luz fica verde automaticamente.

O equipamento foi instalado em 20 leitos de UTI no hospital em São Paulo entre os meses de outubro e dezembro de 2013. Segundo o pesquisador, o hospital parceiro, que já apresentava índices muito baixos de infecção hospitalar, comprovou a eficácia do sistema pelo volume de álcool gel consumido na UTI. “Calculamos um aumento de 50% no volume de álcool gel utilizado na higienização das mãos”, afirma Prado.

Em 2014, o hospital resolveu estender a instalação do sistema para 85 leitos de UTI e, juntamente com a i-Healthsys, decidiu registrar patente da tecnologia no Brasil e também nos Estados Unidos. “Nosso sistema registra 92% de sucesso no controle dos procedimentos de higienização”, ele garante.

Os testes ampliaram o conhecimento sobre a rotina de assistência ao paciente em UTI e revelaram a necessidade de um sistema de vigilância mais amplo de infecção hospitalar, abrangendo outros procedimentos assistenciais. Foi dessa compreensão que nasceu o projeto selecionado pelo PIPE em 2016. “O monitoramento pode ser utilizado para fazer a gestão de vários procedimentos médicos, aumentando a segurança do paciente. Também facilita o acesso à informação, permitindo a emissão de relatórios e estudos epidemiológicos”, explica Prado.

O sistema foi então expandido para vigilância e controle de outros procedimentos como, por exemplo, a troca de dispositivos invasivos como sonda e cateteres: quanto maior o tempo de permanência desses dispositivos em pacientes, maiores as chances de ele adquirir uma infecção, explica o pesquisador.

Para monitorar o tempo de uso de sondas e cateteres em um paciente é instalada uma tag (dispositivo de identificação) na própria embalagem desses dispositivos. Pode-se usar, também, um leitor óptico com código de barras. “No momento da utilização do cateter, basta o profissional passar a embalagem do material pelo sensor instalado no leito para registrar o dia e o horário em que o dispositivo foi inserido. Depois, é possível acompanhar o tempo de uso do material em um monitor instalado dentro da própria UTI”, descreve Prado.

Outro procedimento que pode ser controlado pelo sistema é a higienização oral do paciente, que deve ser feita de duas a três vezes ao dia. “Se a higiene oral não for feita adequadamente, em pouco tempo o paciente pode contrair uma pneumonia, pois as bactérias presentes na boca podem se alojar no pulmão”, explica Prado. O sistema registra as higienizações realizadas e lembra o profissional de saúde quando devem ser refeitas.

O sistema permite ainda registrar informações como o número de vezes em que o paciente é movimentado na cama, quais medicamentos foram ministrados e até o tempo dedicado pelo profissional no cuidado com o paciente. “Por meio das tags, pode-se, inclusive, fazer o rastreamento de pessoas e de equipamentos dentro do hospital. Os itens a serem controlados são definidos conforme as necessidades de cada hospital”, diz o engenheiro. Todas essas informações ficam disponíveis em tempo real na própria UTI, facilmente visíveis em uma tela de 23 polegadas instalada no posto de enfermagem.

Prado já tinha contado com o apoio do PIPE para o desenvolvimento de um software para simulação de cirurgias oculares. [2]

[1] Crédito da imagem: Pesquisa para Inovação. http://pesquisaparainovacao.fapesp.br/monitoramento_de_procedimentos_de_assistencia_ao_paciente_reduz_taxa_de_infeccao_hospitalar/554.

[2] Esta notícia científica foi escrita por Suzel Tunes.

Como citar esta notícia de inovação: Pesquisa para Inovação. Monitoramento de procedimentos de assistência ao paciente reduz taxa de infecção hospitalar. Texto de Suzel Tunes. Saense. http://www.saense.com.br/2018/03/monitoramento-de-procedimentos-de-assistencia-ao-paciente-reduz-taxa-de-infeccao-hospitalar/. Publicado em 21 de março (2018).

Notícias da Pesquisa para Inovação Home

Publicado por

Pesquisa para Inovação

Pesquisa para Inovação é uma publicação da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) com o objetivo de estimular a inovação empresarial e de promover a colaboração entre universidades e empresas, bem como o intercâmbio de informações entre parceiros potenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.