Show de luzes no polo norte de Saturno

ESA
14/09/2018

Esta imagem é uma composição de observações feitas de Saturno e de suas auroras na região do polo norte. [1]
Em 2017, durante um período de sete meses, o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA captou imagens de auroras acima da região do polo norte de Saturno usando o Espectrógrafo de Imagens do Telescópio Espacial. As observações foram feitas antes e depois do solstício de verão setentrional de Saturno. Essas condições proporcionaram a melhor visualização possível da região auroral setentrional para o Hubble.

Na Terra, as auroras são criadas principalmente por partículas originalmente emitidas pelo Sol na forma de vento solar. Quando esse fluxo de partículas eletricamente carregadas se aproxima do nosso planeta, ele interage com o campo magnético, que age como um gigantesco escudo. Embora proteja o ambiente da Terra das partículas do vento solar, ele também pode capturar uma pequena fração delas. Partículas aprisionadas dentro da magnetosfera — a região do espaço ao redor da Terra, na qual partículas carregadas são afetadas por seu campo magnético — podem ser energizadas e seguir as linhas do campo magnético até os polos magnéticos. Lá, elas interagem com átomos de oxigênio e nitrogênio nas camadas superiores da atmosfera, criando as luzes cintilantes e coloridas visíveis nas regiões polares da Terra.

No entanto, essas auroras não são exclusivas da Terra. Outros planetas em nosso sistema solar foram encontrados para ter auroras semelhantes. Entre eles estão os quatro gigantes gasosos Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Como a atmosfera de cada um dos quatro planetas exteriores do Sistema Solar é — ao contrário da Terra — dominada pelo hidrogênio, as auroras de Saturno podem ser mais facilmente vistas em comprimentos de onda ultravioleta; uma parte do espectro eletromagnético que só pode ser estudada a partir do espaço.

Hubble permitiu que os pesquisadores monitorassem o comportamento das auroras no polo norte de Saturno durante um longo período de tempo. As observações do Hubble foram coordenadas com o “Grand Finale” da sonda Cassini, quando a espaçonave sondou simultaneamente as regiões aurorais de Saturno [2]. Os dados do Hubble permitiram que os astrônomos aprendessem mais sobre a magnetosfera de Saturno, que é a maior de qualquer planeta do Sistema Solar além de Júpiter.

As imagens mostram uma rica variedade de emissões com recursos localizados altamente variáveis. A variabilidade das auroras é influenciada tanto pelo vento solar quanto pela rápida rotação de Saturno, que dura apenas cerca de 11 horas. Além disso, a aurora setentrional exibe dois picos distintos de brilho — ao amanhecer e pouco antes da meia-noite. O último pico, não relatado antes, parece específico para a interação do vento solar com a magnetosfera no solstício de Saturno.

A principal imagem apresentada aqui é uma composição de observações feitas de Saturno no início de 2018 na óptica e das auroras na região do polo norte de Saturno, feita em 2017, demonstrando o tamanho das auroras juntamente com as belas cores de Saturno.

Hubble estudou as auroras de Saturno no passado. Em 2004, estudou as auroras do sul pouco depois do solstício austral e, em 2009, aproveitou uma rara oportunidade de registrar Saturno quando seus anéis estavam de ponta. Isso permitiu que o Hubble observasse os dois polos e suas auroras simultaneamente. [3]

[1] Crédito da imagem: ESA/Hubble, NASA, A. Simon (GSFC) and the OPAL Team, J. DePasquale (STScI), L. Lamy (Observatoire de Paris).

[2] Cassini foi uma colaboração entre a NASA, a ESA e a Agência Espacial Italiana. Passou 13 anos orbitando Saturno, reunindo informações e dando aos astrônomos uma grande visão do funcionamento interno de Saturno. Cassini assumiu mais riscos no final de sua missão, viajando através do espaço entre Saturno e seus anéis. Nenhuma espaçonave havia feito isso anteriormente, e a Cassini reuniu imagens espetaculares de Saturno, bem como novos dados para os cientistas trabalharem. Em 15 de setembro de 2017, a Cassini foi enviada para uma colisão controlada contra Saturno.

[3] Esta notícia científica foi traduzida por Claudio Macedo.

Como citar esta notícia científica: ESA. Show de luzes no polo norte de Saturno. Tradução de Claudio Macedo. Saense. http://saense.com.br/2018/09/show-de-luzes-no-polo-norte-de-saturno/. Publicado em 14 de setembro (2018).

Notícias científicas da ESA Home

Publicado por

ESA

A ESA (European Space Agency ) é a Agência Espacial Europeia. É uma organização intergovernamental dedicada à exploração do espaço, com 22 Estados-membros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.