Qual é o exoplaneta mais jovem e por que isso é importante?

Marcelo M. Guimaraes
26/06/2016

Impressão artística do planeta K2-33b orbitando próximo à estrela jovem K2-33. [1]
Impressão artística do planeta K2-33b orbitando próximo à estrela jovem K2-33. [1]
Duas descobertas interessantes, vindas de 3 artigos diferentes, podem sacudir as teorias de formação de planetas Continuar lendo Qual é o exoplaneta mais jovem e por que isso é importante?

Gelo cristalino em Hidra e Caronte

Marcelo M. Guimarães
22/05/2016

No painel da direita temos o espectro infravermelho obtido com o instrumento LEISA, a bordo da New Horizons. Podemos ver as absorções largas de gelo de água cristalino de 1,50 a 1,60 µm e também uma absorção estreita em 1,65 µm. À direita vemos uma imagem de Caronte e de Hidra, obtidas pela sonda New Horizons. [1]
No painel da direita temos o espectro infravermelho obtido com o instrumento LEISA, a bordo da New Horizons. Podemos ver as absorções largas de gelo de água cristalino de 1,50 a 1,60 µm e também uma absorção estreita em 1,65 µm. À direita vemos imagens de Caronte e de Hidra, obtidas pela sonda New Horizons. [1]
Se em Marte a água ferve ao brotar do subsolo e chegar na superfície, em Hidra e Caronte, duas luas de Plutão, água é encontrada na forma de gelo cristalino. Continuar lendo Gelo cristalino em Hidra e Caronte

Água líquida em Marte? Sim! Mas fervendo!

Marcelo M. Guimaraes
08/05/2016

Imagem obtida em 2014 pela Mars Reconnaissance Orbiter da região Coprates Chasma em Marte. [1]
Imagem obtida em 2014 pela Mars Reconnaissance Orbiter da região Coprates Chasma em Marte. [1]
A foto que ilustra essa matéria é da região chamada Coprates Chasma, em Marte. Foi obtida pela missão da NASA chamada Mars Reconnaissance Orbiter em 2014 e mostrou que água líquida ainda esculpe a superfície de Marte. Continuar lendo Água líquida em Marte? Sim! Mas fervendo!

Em uma galáxia, muito, muito distante

Marcelo M. Guimaraes
24/04/2016

A imagem mostra a linha temporal do Universo, desde o Big Bang a 13,8 bilhões de anos atrás (lado direito da imagem) até os dias de hoje (lado esquerdo). A atual recordista de distância, GN-z11, e a recordista anterior, EGSY8p7, são mostradas em detalhe. Pode-se ver que GN-z11 está localizada no início da Era da Reionização. [1]
A imagem mostra a linha temporal do Universo, desde o Big Bang a 13,8 bilhões de anos atrás (lado direito da imagem) até os dias de hoje (lado esquerdo). A atual recordista de distância, GN-z11, e a recordista anterior, EGSY8p7, são mostradas em detalhe. Pode-se ver que GN-z11 está localizada no início da Era da Reionização. [1]
Do auge dos seus 26 anos, o telescópio espacial Hubble nos mostra que ainda é um dos experimentos científicos mais bem-sucedidos da nossa era. Utilizando a Wide Field Camera 3 um grupo de astrônomos Continuar lendo Em uma galáxia, muito, muito distante

Onde os planetas nascem

Marcelo M. Guimaraes
10/04/2016

Imagem produzida pelo ALMA do disco protoplanetário ao redor da estrela jovem, análoga ao Sol, TW Hydrae. O quadro em destaque dentro da imagem mostra uma “falha” no disco localizada a 1UA, mesma distância da Terra ao Sol, onde provavelmente um exoplaneta está se formando. Outras falhas são visíveis na image a distância maiores da estrela. [1]
Imagem produzida pelo ALMA do disco protoplanetário ao redor da estrela jovem, análoga ao Sol, TW Hydrae. O quadro em destaque dentro da imagem mostra uma “falha” no disco localizada a 1UA, mesma distância da Terra ao Sol, onde provavelmente um exoplaneta está se formando. Outras falhas são visíveis na image a distância maiores da estrela. [1]
Localizado a 5.000 metros de altitude, no norte do deserto do Atacama no Chile, em um dos locais mais secos da Terra, o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) [2] observa o Universo em ondas de rádio. Continuar lendo Onde os planetas nascem

A importância do campo magnético terrestre para o surgimento da vida na Terra

Marcelo M. Guimaraes
27/03/2016

Conceito artístico mostrando a jovem estrela Kappa Ceti, com manchas estelares causadas pelo intenso campo magnético. Os resultados indicam um vento estelar 50 vezes mais intenso do que o do Sol. Na imagem também vemos um planeta do tipo da Terra, que precisaria ter um campo magnético para manter sua atmosfera e ser habitável. Os tamanhos da estrela e do planeta não estão em escala. [1]
Conceito artístico mostrando a jovem estrela Kappa Ceti, com manchas estelares causadas pelo intenso campo magnético. Os resultados indicam um vento estelar 50 vezes mais intenso do que o do Sol. Na imagem também vemos um planeta do tipo da Terra, que precisaria ter um campo magnético para manter sua atmosfera e ser habitável. Os tamanhos da estrela e do planeta não estão em escala. [1]
Estrelas jovens, em geral, apresentam atividade magnética e taxas de ejeção de massa (através de ventos) maiores que estrelas na sequência principal como o Sol [2]. Uma pergunta importante a se fazer é: como a atividade do jovem Sol Continuar lendo A importância do campo magnético terrestre para o surgimento da vida na Terra

Discos de poeira ao redor de estrelas velhas

Marcelo M. Guimaraes
13/03/2016

Imagem reconstruída do disco de poeira ao redor de uma estrela evoluída obtida com o VLTI. A estrela central brilhante foi removida e o fundo mostra a região ao redor da estrela, na constelação da Vela. [1]
Imagem reconstruída do disco de poeira ao redor de uma estrela evoluída obtida com o VLTI. A estrela central brilhante foi removida e o fundo mostra a região ao redor da estrela, na constelação da Vela. [1]
Durante as fases finais de evolução das estrelas, e dependendo da sua massa, uma enorme quantidade de material é ejetado através de fortes ventos estelares, dando origem a discos de poeira e gás. Esses discos, criados nas fases finais da Continuar lendo Discos de poeira ao redor de estrelas velhas

Mais evidências para a existência do Nono Planeta no Sistema Solar

Marcelo M. Guimaraes
28/02/2016

As órbitas dos 6 objetos mais distantes (conhecidos) no Cinturão de Kuiper (magenta). Todas as órbitas se alinham e apontam na mesma direção. A órbita laranja é a proposta para o Nono Planeta com massa 10 vezes maior que a da Terra. [1]
As órbitas dos 6 objetos mais distantes (conhecidos) no Cinturão de Kuiper (magenta). Todas as órbitas se alinham e apontam na mesma direção. A órbita laranja é a proposta para o Nono Planeta com massa 10 vezes maior que a da Terra. [1]
Na escola aprendemos que o Sistema Solar possui 9 planetas. Bem, pelo menos possuía até Continuar lendo Mais evidências para a existência do Nono Planeta no Sistema Solar

Einstein acerta de novo: ondas gravitacionais são reais

Marcelo M. Guimarães
14/02/2016

Sinais medidos pelo LIGO em setembro de 2014. No primeiro painel temos o sinal medido pelo interferômetro em Hanford, Washington e no painel do centro vemos o sinal medido pelo interferômetro de Livingston, Louisiana. O último painel mostra os dois sinais sobrespostos. Crédito: Caltech/MIT/LIGO Laboratory.
Sinais medidos pelo LIGO em setembro de 2014. No primeiro painel temos o sinal medido pelo interferômetro em Hanford, Washington e no painel do centro vemos o sinal medido pelo interferômetro de Livingston, Louisiana. O último painel mostra os dois sinais sobrespostos. Crédito: Caltech/MIT/LIGO Laboratory.

Foi em 11 de Fevereiro de 1916 [1] que Albert Einstein, usando sua recém escrita Teoria da Relatividade Geral [2 e 3], previu a existência de um tipo completamente diferente de onda. Continuar lendo Einstein acerta de novo: ondas gravitacionais são reais

Existe limite para tamanho de buraco negro?

Claudio Macedo
07/01/2016

Buraco negro. Crédito: Dana Berry (NASA) / Wikimedia Commons.
Buraco negro. [1]
Buraco negro é um objeto espacial com uma grande quantidade de matéria em um volume muito pequeno. Como consequência de sua grande densidade, o buraco negro mantém, em torno de si, um campo gravitacional tão forte que nem Continuar lendo Existe limite para tamanho de buraco negro?