A pequeneza das coisas (de estrutura fina)

Bruno Carneiro da Cunha
06/11/2017

Interação fóton-fóton. O diagrama pode ser lido como uma história: as linhas onduladas — representando fótons — se aproximam, interagem, via as linhas retas — representando elétrons — e depois se separam. Cada vértice está associado à interação eletromagnética cuja probabilidade depende da constante de estrutura fina. Pelo exposto no texto, a interação fóton-fóton tem assim uma probabilidade da ordem de 1 em 1 bilhão. Por isso só tivemos confirmação experimental deste processo recentemente. [1]
Apesar do modelo inicial de átomo (de Demócrito) ter sido pensado como algo indivisível, aprendemos desde o início do século XX que Continuar lendo A pequeneza das coisas (de estrutura fina)

Massa, spin e essas coisas

Bruno Carneiro da Cunha
07/08/2017

A criação e decaimento de um quark “top” (“t”) e sua antipartícula (“t” com a barra em cima, ou “t-barra”). Sendo criados pela interação entre prótons e anti-prótons, os quarks se separam até eles próprios decairem em quarks tipo “bottom” e “charm” que em seguida geram mais partículas, e em léptons como o múon (“𝜇+”) e o neutrino associado (“𝜈𝜇”). Todos estes decaimentos são mediados pela força fraca, tendo como mensageiro o bóson vetorial massivo “W”. [1]
O que é, afinal, uma “partícula elementar”?

Este é, no âmago, uma construção teórica: partículas elementares são os tijolos Continuar lendo Massa, spin e essas coisas

À procura da matéria escura

Bruno Carneiro da Cunha
05/06/2017

Composição mostra a colisão entre duas galáxias no “aglomerado bala”. Graças às técnicas de imagem usando lentes gravitacionais, consegue-se medir a distribuição de matéria bariônica usual (em vermelho), e da matéria escura (em azul), separadamente. [1]
Já comentamos neste espaço os sucessos e limites do modelo padrão de partículas, e os esforços no sentido de estudar o que existe de Continuar lendo À procura da matéria escura

Carga, paridade e a seta do tempo

Bruno Carneiro da Cunha
11/05/2017

Uma animação ilustrando o efeito da força de Coriolis no pêndulo de Foucault. No hemisfério norte, o plano de oscilação irá lentamente rodar e, se o pêndulo estiver inicialmente oscilando na direção leste-oeste, eventualmente irá oscilar na direção norte-sul. [1]
No ambiente de selva em que a física de partículas estava no início dos anos 60, com várias dezenas de partículas instáveis e nenhuma ideia de como ordená-las, Continuar lendo Carga, paridade e a seta do tempo

Afinal, o quão bom é o modelo padrão de partículas?

Bruno Carneiro da Cunha
06/03/2017

Um evento típico de decaimento do bóson de Higgs em dois léptons tipo tau. A análise de todos os produtos permite a reconstrução dos parâmetros do modelo teórico que podem ser confrontados com outros tipos de processos. [1]
O modelo padrão de partículas é o nome dado à teoria vigente que descreve as interações elementares e os constituintes básicos do universo. Ele prevê que (quase) todo processo elementar visto na natureza envolve 4 forças fundamentais, Continuar lendo Afinal, o quão bom é o modelo padrão de partículas?

A matreira quinta força, ou o debate e o método científico

Bruno Carneiro da Cunha
05/09/2016

O conteúdo de partículas do Modelo Padrão de Partículas. Em vermelho, as partículas mediadoras da força nuclear forte, o glúon, do eletromagnetismo, o fóton, e da força nuclear fraca, os bósons Z e W. Junto com o gráviton da gravitação, elas compõem as quatro forças fundamentais da natureza conhecidas até hoje. [1]
O conteúdo de partículas do Modelo Padrão de Partículas. Em vermelho, as partículas mediadoras da força nuclear forte, o glúon, do eletromagnetismo, o fóton, e da força nuclear fraca, os bósons Z e W. Junto com o gráviton da gravitação, elas compõem as quatro forças fundamentais da natureza conhecidas até hoje. [1]
No final é, ao menos, uma boa estória.

Em 2015, um grupo de cientistas baseados na Hungria, liderados pelo dr. Krasznahorkay relataram um comportamento estranho no decaimento de um estado energético do berílio-8. Continuar lendo A matreira quinta força, ou o debate e o método científico