CCS/CAPES
31/05/2023

Pesquisadores da UFMT identificaram nas águas usadas para lavar granjas de suínos biofertilizante para a agricultura (Foto: Naiara Demarco – CGCOM/CAPES)

Pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) identificaram nas águas usadas para lavar granjas de suínos e lançadas em lagoas de rejeitos um componente importante para a agricultura. O líquido retirado desses reservatórios, após passar por um processo que utiliza temperatura e pressão controladas, se transforma em nanopartículas de carbono que, aplicadas nas folhas das plantas, ajudam no processo de fotossíntese e aceleram em até 30% o seu crescimento.

Com participação de bolsista da CAPES, a pesquisa pretende contribuir para aumentar a produção agrícola e, ao mesmo tempo, ser um aliado do meio ambiente. “Esse trabalho pode ajudar na oferta de mais alimentos para o futuro e dar destino adequado para esses resíduos, contribuindo ainda para diminuir a emissão de poluentes”, afirma Adriano Buzutti de Siqueira, professor associado do Departamento de Química da UFMT e coordenador do projeto. Ao reutilizar a água da lagoa de dejetos, evita-se a contaminação de lençol freático e, consequentemente, os rios da região. Ele classifica o trabalho como um facilitador da economia circular e sustentável.

A planta, após receber a aplicação do nanofertilizante – denominado BioC-dots e que não é visto a olho nu – melhora a eficiência do seu processo de fotossíntese, o que contribui para o seu desenvolvimento. As partículas de carbono ficam dispersas na solução formada pela própria água da lagoa de dejetos, que é utilizada como solvente. “Temos observado o aumento no tamanho das plantas, que aproveitam melhor a luz solar, crescem e podem produzem mais grãos, legumes, frutas e hortaliças”, ressalta Adriano.

Ana Carolina Cunha Serafim, bolsista da CAPES em Química, explica que com a técnica utilizada, o nanofertilizante trabalha em sinergia com o vegetal. “Esse material absorve a região ultravioleta da luz solar que a planta não consegue captar e emite uma iluminação que é absorvida pela própria planta, ajudando a conversão solar em química da fotossíntese, facilitando, então, o crescimento da planta”, detalha. Seu trabalho é entender o funcionamento, as características e a aplicação do bioestimulante. Aqui,  a bolsa da CAPES é fundamental: “A dedicação exclusiva nessa atividade faz com que as coisas andem. Se eu tivesse que dividir o tempo entre trabalhar e estudar, não teria os resultados em dois anos”.

Os testes de fotossíntese começaram no ano passado, em colaboração com pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina (UEL), em lavouras de soja e algodão. A aplicação nas plantações é estimada para o segundo semestre deste ano no Mato Grosso, que tem um número expressivo de granjas suínas. [1], [2]

[1] Redação: CGCOM/CAPES

[2] Publicação original: https://www.gov.br/capes/pt-br/assuntos/noticias/reuso-de-agua-de-dejetos-acelera-desenvolvimento-de-plantas

Como citar este texto: CCS/CAPES. Reuso de água de dejetos acelera desenvolvimento de plantas. Saense. https://saense.com.br/2023/05/reuso-de-agua-de-dejetos-acelera-desenvolvimento-de-plantas/. Publicado em 31 de maio (2023).

Notícias científicas da CCS/CAPES     Home