ESO
05/05/2023

Nebulosa Gum 10 [1]

Nesta colorida Fotografia da Semana vemos uma parte da nebulosa Gum 10 observada pelo Very Large Telescope do ESO, no Chile. A Gum 10 foi descoberta pelo astrónomo australiano Colin Stanley Gum, que, em 1955, publicou um catálogo com mais de 80 nebulosas difusas semelhantes.

A radiação ultravioleta energética emitida por estrelas quentes azuis no seio da Gum 10 ionisa o gás da nebulosa, arrancando electrões aos seus átomos. Quando estes electrões se combinam novamente com os átomos, é emitida radiação a cores, ou comprimentos de onda, muito específicos. O tom avermelhado da imagem vem do hidrogénio, o elemento mais abundante no Universo. As áreas escuras são nuvens densas de poeira que bloqueiam parcialmente a nossa vista dos objetos que se encontram por detrás.

Esta imagem, obtida com o  instrumento FORS2, foi criada no âmbito do programa Joias Cósmicas do ESO, uma iniciativa no âmbito da divulgação científica, que visa obter imagens de objetos interessantes, intrigantes ou visualmente atrativos, utilizando os telescópios do ESO, para efeitos de educação e divulgação científica. O programa utiliza tempo de telescópio que não pode ser usado em observações científicas. Todos os dados obtidos podem ter igualmente interesse científico e são por isso postos à disposição dos astrónomos através do arquivo científico do ESO. [2]

[1] Crédito: ESO

[2] Publicação original: https://www.eso.org/public/portugal/images/potw2318a/

Como citar este texto: ESO. Um mar cósmico escarlate. Tradução de Margarida Serote e Eugênio Reis Neto. Saense. https://saense.com.br/2023/05/um-mar-cosmico-escarlate/. Publicado em 05 de maio (2023).

Notícias científicas do ESO     Home