ESO
19/01/2024

Parte do remanescente da supernova da Vela. Crédito da imagem: ESO/VPHAS+ team. Acknowledgement: CASU

Apesar da constelação da Vela poder ser vista a olho nu no céu austral, o facto é que perdemos muitos pormenores aí escondidos, como os que vemos nesta Fotografia da Semana. Esta é uma pequena parte do remanescente da supernova da Vela, os restos intrincados da explosão de uma estrela massiva, que ocorreu há cerca de 11 000 anos. Esta imagem faz parte de um enorme e pormenorizado mosaico capturado com o VLT Survey Telescope (VST), instalado no Observatório do Paranal do ESO, no deserto chileno do Atacama.

Nuvens filamentares rosa e laranja enchem esta imagem, fazendo-nos lembrar a sombra fantasmagórica de um pássaro cósmico com enormes asas laranja, um longo corpo rosa e uma estrela rosa brilhante a fazer de olho. Uma miríade de estrelas salpica toda a imagem.

Quando atingem o final das suas vidas, as estrelas de grande massa explodem sob a forma de supernovas, expulsando as suas camadas exteriores. Estas explosões emitem ondas de choque que percorrem o gás circundante, comprimindo-o e remodelando-o. É este fenómeno que cria a intrincada estrutura de filamentos que aqui vemos e que brilha devido à energia libertada durante a explosão. [1]

Como citar este texto: ESO. Um pássaro fantasmagórico gigante. Saense. https://saense.com.br/2024/01/um-passaro-fantasmagorico-gigante/. Publicado em 19 de janeiro (2024).

Notícias científicas do ESO Home