ESO
26/04/2024

Galáxia NGC 4383. Crédito: ESO/A. Watts et al.

Esta Fotografia da Semana, obtida com o Very Large Telescope do ESO, mostra a galáxia NGC 4383 a evoluir de uma maneira estranha. O gás flui do seu núcleo a uma velocidade extraordinária, deixando a galáxia a velocidades médias superiores a 200 km/s, e que podem mesmo chegar a 300 km/s. Esta erupção de gás deve-se unicamente à formação estelar.

No centro da NGC 4383 estão a nascer enormes quantidades de estrelas. As mais massivas perdem massa ao longo das suas vidas através de ventos intensos, acabando por morrer em violentas explosões de supernova. Estes ventos estelares e supernovas varrem para o exterior parte do material gasoso da galáxia: os brilhantes filamentos vermelhos que vemos na imagem mostram hidrogénio gasoso ejectado a distâncias de, pelo menos, 20 000 anos-luz da NGC 4383. Uma vez que é arrastado para longe do núcleo galáctico, este gás não pode formar a próxima geração de estrelas e, por isso, este processo acaba por regular a taxa de formação estelar no seio desta galáxia.

Um novo estudo liderado por Adam Watts, do Centro Internacional de Investigação em Radioastronomia da Universidade da Austrália Ocidental, utilizou o instrumento MUSE (Multi Unit Spectroscopic Explorer), montado no VLT, para estudar a NGC 4383. O MUSE permitiu à equipa mapear a composição química e o movimento deste vasto fluxo estelar com grande detalhe, fornecendo informações sobre os mecanismos que deram origem ao extraordinário fluxo que podemos ver nesta imagem. [1]

[1] Publicação original: https://www.eso.org/public/portugal/images/potw2427a/

Como citar este texto: ESO. Uma fonte galáctica. Tradução de Margarida Serote. Saense. https://saense.com.br/2024/04/uma-fonte-galactica/. Publicado em 26 de abril (2024).

Notícias científicas do ESO Home