Jornal da USP
07/01/2021

Literatura de cordel foi utilizada para compreender as ações que originaram a periferia de São Gonçalo e a violência (Foto: Ilustração/Jornal da USP)

A interdisciplinaridade na educação é um recurso fundamental, pois reflete a valorização do indivíduo como um todo, capaz de descobrir, assimilar e levar para sua realidade, de forma criativa, as várias áreas do conhecimento humano. Partindo dessa premissa, pode-se pensar em uma complementaridade de duas áreas, aparentemente diferentes, tal como o relacionamento entre Literatura e Geografia. Em artigo publicado na revista Geografia, Literatura e Arte, os estudantes de Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Julia Queiroz, Kelly Moreno e Leandro da Silva, buscaram entender as dinâmicas que constituem a periferia e a violência construída à partir da produção de cordéis feitos por alunos de uma escola no Rio de Janeiro. 

O estudo também se propôs a introduzir novas maneiras de interpretação e análise do espaço geográfico e seus conceitos, no texto, definido não só como “constituído de fenômenos naturais, como também sociais, porque ele sofre constantemente transformações devido às necessidades dos contextos nos quais as sociedades vivenciam ao longo do tempo”, explicam os autores. Novas metodologias são criadas para o processo de aprendizagem, deixando de lado o ensino mais tradicional, como o livro didático, no intuito de proporcionar “um pensamento crítico acerca da leitura de mundo do aluno”. Assim, o objetivo dos autores é apresentar a literatura como uma linguagem para pensar e ensinar geografia, compreender as ações que originam a periferia e a violência, tendo como ferramenta a implementação de oficinas para criações de cordel. 

Essa vivência proposta pelos autores em classe de 7º ano da escola Ciep 439-Luiz Gonzaga Júnior, Luiz Caçador, no bairro de São Gonçalo, realizou-se com a implantação do Projeto de Extensão de Oficinas Escolares de Geografia, em que se pode trabalhar com os espaços em que habitam esses alunos e o que estes percebem nesse cotidiano. Assim, os alunos relatam, pela literatura de cordel, processos de violência nesses espaços. O cordel se tornou um meio de os professores conhecerem a “realidade dos estudantes por meio de conceitos e conteúdos que trabalhem com as escalas de análise do global ao local”, comentam os autores. Essas oficinas atuam como experimentação de compreensão de conteúdos geográficos que podem interessar o aluno para que se estabeleça a relação e a crítica entre a realidade e o meio em que vive. 

Conceitos geográficos como território, lugar, paisagem e região deram lugar a temas mais urgentes e importantes para os alunos: a violência no bairro e a partir dessas discussões os cordéis foram criados. O destaque dos autores é “observar que a atividade acabou trazendo o cordel como o meio de entender a formação da periferia de São Gonçalo e como a violência gera impacto no/na discente”. Quando o aluno percebe a relação entre entre ele e seu espaço, despertado com o senso crítico e a sensibilidade que a literatura de cordel desperta nas oficinas, há um maior interesse na área da geografia e o estímulo de estar capacitado para “analisar as problemáticas sociais e sua inserção na sociedade”. Nesse estudo, a problemática da violência na periferia é algo que estabelece a construção do conhecimento geográfico.

De acordo com o professor Daniel Pereira Rosa, a ocupação do município de São Gonçalo deveu-se à impossibilidade de permanência direta nos centros urbanos, “fazendo do local uma cidade dormitório”. Então ao município coube o papel de periferia, “cidade – dormitório que abrigava o reservatório de mão de obra de trabalhadores com baixa qualificação”, destaca. O artigo aponta a falta de saneamento básico, coleta de lixo, esgoto a céu aberto, precarização dos serviços como fatores que caracterizam o município como periferia, taxado como espaço  “marginalizado, violento”. O desenvolvimento urbano e a migração para os centros urbanos geraram a chamada periferia, “espaços segregacionistas sociais e econômicos que são criados, como, por exemplo, bairros de classe alta, média e baixa”, o que, sem dúvida, acaba por estimular a luta de classes e formas de resistência.

Com a desigualdade social e o descaso do Estado, a educação é afetada, obrigando os moradores de São Gonçalo a desdobrarem-se entre o fugir da violência local, o estudo e o trabalho, enfrentando a falta de recursos, com o agravante de, muitas vezes, serem vistos como delinquentes. Aí entra a educação possível que se faz em alguns lugares das periferias, como no município em questão, como meio indiscutível de auxílio no combate à violência, com a conscientização de meninos e meninas relatando, nos cordéis, violências e abusos de todo tipo. Nesse contexto, a literatura de cordel é tomada pelos professores como recurso artístico e multidisciplinar para práticas de aprendizagem que podem interferir no cotidiano do aluno, mostrando a importância da geografia no sentido de lidar-se com os desafios encontrados na realidade do cotidiano “diante da concepção do mundo atual e dos impactos causados pela desigualdade social”.

Artigo

QUEIROZ, J. G. L. de; SILVA, L. V. C. da; MORENO, K. B. Análise do Cordel no ensino de Geografia: visão da periferia e a violência urbana: visión de la periferia y violencia urbana. Revista Geografia, Literatura e Arte, v. 2, n. 2, p. 15-30, 2020. ISSN: 2594-9632. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2020.167885. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geoliterart/article/view/167885. Acesso em: 11 nov. 2020.

Contatos

Julia Gabriela Lessa de Queiroz – Graduanda em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: [email protected]

Kelly Barradas Moreno – Graduanda em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: [email protected] 

Leandro Vieira Cardoso da Silva – Graduando em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E-mail: [email protected] [1]

[1] Texto de Margareth Arthur/Portal de Revistas USP.

Como citar este texto: Jornal da USP. Cordel no ensino de geografia: oficinas mostram impacto da violência urbana na periferia. Texto de Margareth Arthur. Saense. https://saense.com.br/2021/01/cordel-no-ensino-de-geografia-oficinas-mostram-impacto-da-violencia-urbana-na-periferia/. Publicado em 07 de janeiro (2021).

Notícias do Jornal da USP Home