Agência FAPESP
10/06/2022

Pesquisadores da USP acompanharam um grupo de gestantes na Amazônia Ocidental. Análises mostram que a prática de ao menos 150 minutos semanais de exercícios está associada a uma redução saudável do peso do bebê, com menor risco de obesidade e diabetes na infância (foto: Estudo MINA/divulgação)

Theo Ruprecht | Agência FAPESP – Um estudo brasileiro reforça o valor e a segurança das atividades físicas no lazer durante a gravidez, inclusive em um cenário de maior vulnerabilidade social. Com base em dados de gestantes de uma cidade no Acre, os pesquisadores associaram a prática de ao menos 150 minutos de exercícios por semana, como recomendado pela Organização Mundial da Saúde, a uma redução do peso do bebê no nascimento, o que é positivo para evitar consequências como obesidade e diabetes na infância. E isso sem aumentar o risco de a criança nascer com peso abaixo do esperado para a idade gestacional.

O artigo, publicado no periódico PLOS ONE, é fruto do “Estudo MINA – materno-infantil no Acre: coorte de nascimentos da Amazônia ocidental brasileira”, projeto que vem sendo conduzido desde 2015, com apoio da FAPESP, sob a coordenação de pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP).

“Outros trabalhos já haviam investigado o efeito das atividades físicas no lazer durante a gestação, tanto sobre o peso do bebê como para outros desfechos. Mas faltavam pesquisas prospectivas de países de baixa e média renda sobre a temática”, conta Marly Augusto Cardoso, nutricionista e coordenadora do projeto.

Segundo Cardoso, diferenças étnicas poderiam influenciar nos resultados – ao contrário de outros levantamentos, cerca de 80% da população analisada se autodeclarou não branca. Acima disso, características próprias de áreas menos assistidas precisam entrar nessa equação. Por exemplo, em países ricos, a preocupação em relação ao peso do bebê fica mais restrita a um extremo do problema: o do excesso de peso ao nascer. Já em locais de baixo status socioeconômico, a desnutrição materno-infantil é mais comum, o que pode contribuir para a ocorrência de crianças com baixo peso ao nascer. Além disso, mulheres de regiões pobres tendem a fazer mais atividade física no trabalho ou no lar. “Será que, nesse contexto, a atividade física no lazer aumentaria o índice de bebês pequenos para a idade gestacional?”, questiona Cardoso.

A pesquisadora aponta que o projeto Mina-Brasil apresenta casuística com os dois extremos em sua amostra – baixo peso e excesso de peso ao nascer –, o que permitiu responder a essa questão. “É o primeiro estudo prospectivo de um país de média renda, com maioria de mulheres não brancas, a examinar o efeito da atividade física no lazer durante a gestação no peso dos filhos”, reitera o artigo.

A coleta de dados

A população estudada pelo grupo da FSP-USP é de Cruzeiro do Sul, uma cidade do Acre com cerca de 88 mil habitantes. Entre fevereiro de 2015 e janeiro de 2016, gestantes do município foram acompanhadas e, após o consentimento dos familiares, os recém-nascidos também foram avaliados. Os participantes foram examinados e responderam a questionários sobre diferentes aspectos, do estilo de vida à infecção por malária, passando pelo consumo alimentar infantil e pela microbiota intestinal. “Queremos abordar diferentes perguntas com essa coorte”, diz Cardoso.

Para esse artigo especificamente, os pesquisadores recorreram a informações sobre atividade física no lazer disponibilizadas por 500 voluntárias incluídas no projeto. As mulheres reportaram a quantidade de atividades realizadas no segundo e no terceiro trimestre da gravidez, em seguida tiveram o peso aferido. A partir daí, foram categorizadas entre as que atingiram o mínimo recomendado de 150 minutos de exercícios por semana e as que estavam abaixo desse limiar. O peso dos bebês, por sua vez, foi medido ao nascer.

A primeira constatação: somente 7,3% das gestantes no segundo trimestre e 9,5% no terceiro alcançaram os 150 minutos semanais de atividade física no lazer. Antes da gestação, esse número era de 42%. “Infelizmente, essa não é uma particularidade de Cruzeiro do Sul. Até hoje muitos profissionais recomendam repouso nessa fase da vida, principalmente no primeiro trimestre de gestação”, lamenta Maíra Malta, professora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Católica de Santos (Unisantos) e coautora do artigo. “No entanto, temos fortes e sólidas evidências sobre os benefícios da atividade física no lazer para o binômio materno-infantil”, reforça Malta.

Peso adequado

O hábito de praticar ao menos 150 minutos semanais de atividade física no terceiro trimestre de gestação foi ligado a uma redução média de 137,9 gramas no peso de nascimento da criança. Essa diminuição, no entanto, não culminou em uma maior taxa de nascidos abaixo da faixa de peso ideal. “Ou seja, a atividade física reduz o risco de o bebê apresentar peso excessivo ao nascer, sem levar ao extremo oposto”, interpreta Malta.

O estudo também aponta que esse efeito foi parcialmente mediado pelo ganho de peso excessivo das mães ao longo da gestação. Em outras palavras, uma parcela do resultado obtido provavelmente decorre do fato de que os exercícios ajudam a evitar o acúmulo excessivo de peso entre as gestantes. Como mulheres que engordam mais na gravidez tendem a dar à luz filhos maiores, o manejo adequado do peso da mãe por meio da atividade física explicaria parte da redução do peso do filho ao nascer – mas não ele todo.

“Foi um pequeno efeito mediador”, esclarece Malta. Estudos anteriores relataram que as associações permaneceram significativas após o ajuste para o índice de massa corporal (IMC) materno, sugerindo que o efeito da atividade física no peso ao nascer é apenas parcialmente mediado pelo peso materno.

Esses resultados não foram encontrados entre mulheres que atingiram a recomendação de atividade física no lazer durante o segundo trimestre da gestação.

“O nosso trabalho destaca a necessidade de os profissionais de saúde valorizarem a atividade física na gestação, especialmente entre mulheres com tendência a ganhar mais peso nessa fase”, argumenta Cardoso. “Claro que há necessidade de uma avaliação obstétrica durante o pré-natal, até porque certos casos demandam repouso. Mas precisamos reduzir as taxas de sedentarismo nessa população”, completa.

Limitações e planos futuros

O estudo Mina-Brasil integra a rede de colaboração internacional The Gestational Weight Gain (GWG) Pooling Project Consortium, financiada pela Fundação Bill e Melinda Gates. O grupo investiga o impacto do ganho de peso gestacional em relação a desfechos de saúde materno-infantil em países de baixa e média renda.

Como poucas gestantes dessa coorte alcançaram as recomendações de 150 minutos de atividade física por semana, não foi possível avaliar o efeito da intensidade dessas práticas no peso do bebê e em outros desfechos. Pelo mesmo motivo, os pesquisadores também não conseguiram mensurar se há uma correlação contínua entre o tempo dedicado às atividades físicas e a magnitude dos benefícios.

Além disso, a população do estudo não contemplou gestantes de áreas rurais, que podem apresentar outras particularidades. “Mais investigações são necessárias nesse sentido”, apontam os autores no artigo.

Os pesquisadores continuarão acompanhando essas mulheres e seus filhos para averiguar o impacto da atividade física em médio e longo prazo. Em paralelo, o projeto seguirá investigando diferentes parâmetros de saúde e de estilo de vida na amostra. Trabalhos anteriores já mostraram, por exemplo, que a exposição recorrente à malária eleva o risco de anemia nos primeiros anos de vida (leia mais em: agencia.fapesp.br/36352/).

O artigo Leisure-time physical activity in Amazonian pregnant women and offspring birth weight: A prospective cohort study pode ser lido em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0265164.
Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

Como citar este texto: Agência FAPESP. Mesmo em locais de maior vulnerabilidade social a atividade física na gestação deve ser estimulada.  Texto de Theo Ruprecht. Saense. https://saense.com.br/2022/06/mesmo-em-locais-de-maior-vulnerabilidade-social-a-atividade-fisica-na-gestacao-deve-ser-estimulada/. Publicado em 10 de junho (2022).

Notícias científicas da Agência FAPESP     Home