UFPR
14/07/2022

Mudas estão sendo criadas a partir de técnica que gera indivíduos iguais à planta-mãe, para garantir qualidade no plantio. Objetivo da pesquisa é propor protocolo para os produtos de alfarroba, entre eles a farinha. Fotos: Leandro Latoh/Gepe/Acervo pessoal

O Brasil é o país com a maior diversidade de árvores do planeta, em seu território estão 8.715 espécies de árvores, o que corresponde a 14% das existentes no mundo. Até pouco tempo, essa porcentagem não incluía uma espécie frondosa de cerca de dez metros de altura, tronco castanho e irregular — de casca lisa e com algumas saliências —, a alfarrobeira (Ceratonia siliqua).

De folhas perenes, que permanecem o ano todo, a árvore costuma florir uma vez ao ano, entre agosto e outubro, e seus frutos, um tipo de vagem que mede entre dez e 25 centímetros, são a fonte de um alimento rico em fibras, já conhecido por substituir o chocolate em dietas de baixas calorias e para indivíduos com sensibilidade ou alergia alimentar.

A alfarroba, fruto dessa planta típica da região do Mediterrâneo — bastante disseminada pela África e pela Europa —, pode chegar ao cotidiano dos brasileiros de forma mais ágil e barata dentro de pouco tempo e facilitar a vida de indivíduos com intolerâncias alimentares, alguns dos principais consumidores do produto.

Isso porque pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Agronomia e do Grupo de Estudo e Pesquisa em Estaquia (Gepe) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) conseguiram introduzir a espécie, de forma pioneira, no Brasil.

Ao saberem que empresas locais importam dezenas de toneladas de farinha de alfarroba anualmente, a professora Katia Christina Zuffellato Ribas e seu orientando de doutorado, Leandro Porto Latoh, resolveram importar sementes de alfarrobeira, com fins de pesquisa acadêmica, para a produção de mudas dessa espécie no Brasil. A tese de doutorado que Latoh está desenvolvendo viabilizou o processo, desde os trâmites legais até os experimentos práticos.

As mudas estão sendo cultivadas em uma área ao ar livre do Laboratório de Macropropagação Vegetal (LMV) do Departamento de Botânica da UFPR, em Curitiba (PR).

Já foram produzidas pouco mais de 1,6 mil mudas, a maior parte delas usadas em análises bioquímicas. Aproximadamente 400 mudas são cultivadas a cada três meses ao longo dos experimentos.

Até chegar a essa etapa, porém, foi preciso submeter a proposta aos órgãos públicos responsáveis por avaliar a introdução da espécie exótica no País. O processo é complexo, tendo em vista que é preciso precaução para evitar a contaminação e a introdução de novas pragas e patógenos em território nacional.

A introdução da alfarrobeira no Brasil, em termos de pesquisa, levou em torno de dois anos, tempo mais longo que o usual, devido à pandemia de Covid-19, que ocasionou o bloqueio de fronteiras e demais agentes logísticos.

Em 2019, os pesquisadores conseguiram as permissões do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) para a importação das sementes, que vieram de Portugal, um dos maiores produtores de alfarroba.

As sementes chegaram ao Brasil em 2020 e, após passarem por uma quarentena no Instituto Agronômico de Campinas (IAC), foram liberadas para o início dos experimentos de germinação.

Técnica permite criar mudas de qualidade para plantio

Agora, a propagação vegetativa da espécie — técnica que consiste em multiplicar assexuadamente partes do vegetal, originando indivíduos geralmente idênticos à planta mãe — está sendo estudada para que sejam fornecidas mudas de qualidade para futuros plantios.

“Estamos desenvolvendo trabalhos voltados à produção de indivíduos de qualidade”, explica Katia.

Fazem parte desse conjunto os estudos sobre propagação vegetativa das alfarrobeiras via miniestaquia caulinar (veja o infográfico acima) com uso de reguladores vegetais do grupo das auxinas.

Essa é uma classe de hormônios vegetais que atuam diretamente no crescimento das plantas. Também há pesquisas voltadas à germinação de sementes e estudos bioquímicos, que ajudam na compreensão da fisiologia (funcionamento do organismo) da espécie.

O maior objetivo é a criação de um protocolo padrão para o desenvolvimento de materiais selecionados, para que futuros produtores possam usufruir dessa cultura, produzindo, a longo prazo, farinha de alfarroba nacional a um menor custo.

Depois que a espécie é homologada pelo Mapa e por outras entidades fiscalizadoras responsáveis, ela pode ser plantada por qualquer pessoa, em lugares com características e capacidade produtiva para tal.

O processo é semelhante ao que ocorreu com outras espécies exóticas, a exemplo do kiwi, da macadâmia e do eucalipto.

Ideia é que introdução da alfarroba ajude a popularizar produtos funcionais

Em relação à alfarroba, no futuro, a ideia é comercializar a iniciativa, considerada inovadora dentro da cadeia agrícola.

“As maiores vantagens são a redução de custos operacionais da matéria-prima alimentícia e a abertura de espaço de consumo para todas as classes que optem por alimentos funcionais ou que necessitem deles para uma boa nutrição”, explica Latoh, que considera a redução dos preços para a produção e o menor custo final para o consumidor os principais benefícios.

“O Brasil é um país único em termos de variantes ambientais, tipos de produção e perfil de produtores. Podemos impactar de forma positiva cooperativas, agricultura familiar, agricultura em larga escala e indústrias, buscando a geração de empregos e de renda. Mas, acima de tudo, podemos impactar a alimentação funcional para uma significativa porcentagem da população”.

O processo teve apoio de Cristiane Vieira Helm, pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que, junto com Latoh, testou a farinha de alfarroba na elaboração de biscoitos.

“A farinha de alfarroba é um ingrediente que favorece e marca o sabor de chocolate, conferindo aos produtos uma coloração caramelo e uma elevada concentração de compostos fenólicos, substâncias que apresentam ação antioxidante”.

Ela salienta que a concentração de açúcar na farinha de alfarroba é baixa, tornando-a apta para o consumo por indivíduos diabéticos. “Não apresenta teobromina, nem cafeína na composição química, diferindo do cacau”.

A tese de doutorado deve ser defendida em 2023. Dados preliminares foram publicados no IV Simpósio Paranaense de Fruticultura, em novembro.

ALFARROBA COMO ALTERNATIVA PARA INTOLERANTES E DIABÉTICOS

Há alguns anos, ainda antes da introdução da espécie no Brasil, a professora Claudia Carneiro Hecke Kruger, do Programa de Pós-graduação em Alimentação e Nutrição da UFPR, realizou estudos de abordagem nutricional envolvendo a farinha da alfarroba.

Ela e seu grupo de pesquisa desenvolveram uma pesquisa pensando na incorporação da alfarroba em formulações fermentadas, para permitir o consumo por intolerantes à lactose. O artigo foi publicado em 2017 na revista LWT – Food Science and Technology, da Science Direct, e permitiu verificar que o acréscimo do alimento aos iogurtes aumentou os teores de mineiras e fibras dos produtos finais.

Em outro estudo, o grupo mensurou a glicose liberada ao longo do tempo em indivíduos que consumiram tabletes de alfarroba. O experimento obteve valores de índice glicêmico inferiores a 50, sendo que em testes que utilizam a glicose como alimento padrão, considera-se o índice glicêmico baixo quando seus valores são menores ou iguais a 55. O resultado final desse trabalho foi publicado na revista Nutrición Hospitalaria.

“Alimentos com baixo índice glicêmico promovem uma resposta lenta e gradual nos níveis de glicose, oferecendo substrato para a flora intestinal, promovendo sensação de saciedade e melhoria do controle glicêmico. Dessa forma, podem ser utilizados por indivíduos diabéticos ou em dietas para o controle de peso”, afirma.

Para a nutricionista, o alto teor de fibras que a farinha de alfarroba apresenta pode contribuir para o baixo índice glicêmico dos produtos feitos a partir dela.

“A inclusão de alimentos ricos em fibras na dieta tem sido associada com a diminuição do risco de obesidade e de diabetes. A fibra alimentar também possui potencial efeito preventivo contra certos tipos de câncer, em particular aqueles que atingem o trato gastrointestinal”.

A farinha de alfarroba ainda possui mineiras como potássio, cálcio, fósforo e magnésio. Os compostos fenólicos presentes no produto podem apresentar atividade antioxidante, anti-inflamatória, antimicrobiana e anticarcinogênica. [1]

[1] Texto de Jéssica Tokarski.

Como citar este texto: UFPR. Estudo permite produção das primeiras mudas de alfarroba do Brasil. Texto de Jéssica Tokarski. Saense. https://saense.com.br/2022/07/estudo-permite-producao-das-primeiras-mudas-de-alfarroba-do-brasil/. Publicado em 14 de julho (2022).

Notícias científicas da UFPR     Home