Claudio Macedo
24/02/2023

Ônibus movido a hidrogênio [1]

Hidrogênio é o elemento químico mais leve e o mais abundante da natureza. No estado livre ele se apresenta como um gás que pode ser usado como combustível.

O uso do gás hidrogênio é entendido como a forma mais simples de substituição de combustíveis fósseis por um combustível não poluidor da natureza, afinal o que resulta da combustão do hidrogênio é simplesmente água em forma de vapor.

O problema é que hidrogênio livre só é encontrado na atmosfera terrestre em muito pequena proporção, e sua obtenção, a partir de alguma substância composta, depende de processos complexos.

O processo de obtenção do hidrogênio a partir da água é chamado de eletrólise da água. Esse processo decompõe quimicamente a água em oxigênio e hidrogênio por ação da passagem de uma corrente elétrica pela água.

O hidrogênio produzido via eletrólise da água utilizando eletricidade obtida de fontes limpas e renováveis é denominado de hidrogênio verde. São exemplos de fontes de energia limpas e renováveis: solar e eólica.

O hidrogênio verde é considerado o combustível do futuro por ser uma fonte energética renovável, inesgotável e não poluente. Ele pode ser usado em automóveis, em veículos pesados de transporte de carga, na aviação, no transporte marítimo e até na indústria siderúrgica.

Ocorre que existem importantes desafios para a adoção em larga escala do hidrogênio verde. São exemplos: o armazenamento seguro e os custos de produção competitivos comparados com outras fontes de combustíveis.

A questão do armazenamento seguro tem a ver com o fato de o hidrogênio ser muito volátil e inflamável, isso faz com que precisem ser adotados excepcionais requisitos de segurança para evitar perdas e explosões.

Os custos de produção dependem fortemente dos custos para construção de eletrolisadores, aparelhos usados na eletrólise da água, e dos custos e disponibilidade de energia renovável (solar e eólica). Nos eletrolisadores são usados irídio e platina, materiais escassos e caros que funcionam como catalisadores da reação química. Os custos e disponibilidade de energia renovável são afetados pelos altos custos das matérias-primas necessárias para a fabricação de hélices de turbinas e de painéis solares.

Além disso, há a necessidade de adaptar as atuais instalações que processam gás natural e os gasodutos para o uso de hidrogênio.

O Brasil conta com generosa disponibilidade de dias ensolarados e de ventos que viabilizam produzir energia elétrica de forma limpa e renovável, consequentemente, pode se tornar um grande produtor de hidrogênio verde. Com isso, nosso país poderá cumprir as metas e compromissos pactuados nos acordos climáticos e estimular o nosso desenvolvimento econômico e social, pois esse setor poderá gerar muito emprego e renda pelo uso interno e pelo enorme potencial de exportação.

Naturalmente que, diante dos desafios que apontamos acima, o futuro promissor do hidrogênio verde como substituto de combustíveis fósseis depende de muito investimento em pesquisa e de desestímulo ao uso de combustíveis fósseis. [2], [3]

[1] Crédito da imagem: Emilks / Wikimedia Commons

[2] Portal da Indústria. Hidrogênio verde. Agência CNI de Notícias. https://www.portaldaindustria.com.br/industria-de-a-z/hidrogenio-verde/. Acesso em 23 de fevereiro de 2023

[3] Ajit Niranjan. Os desafios para ampliar a produção de hidrogênio verde. DW. https://www.dw.com/pt-br/quais-s%C3%A3os-os-desafios-para-ampliar-a-produ%C3%A7%C3%A3o-de-hidrog%C3%AAnio-verde/a-64625843. Acesso em 23 de fevereiro de 2023

Como citar este artigo: Claudio Macedo. O promissor hidrogênio verde. Saense. https://saense.com.br/2023/02/o-promissor-hidrogenio-verde/. Publicado em 24 de fevereiro (2023).

Artigos de Claudio Macedo Home