Jornal da USP
05/04/2023

Índices inflamatórios podem auxiliar o médico na definição do prognóstico da evolução do câncer de fígado avançado, além de servir como base para desenho de estudos futuros direcionados a subgrupos de portadores da doença que apresentam diferentes riscos de mortalidade – Imagem: Arte Jornal da USP sobre imagem de glóbulos brancos no sangue/Wikimedia Commons

Os índices inflamatórios baseados em contagem de células sanguíneas podem ser uma opção para prever a evolução de pacientes com câncer de fígado avançado, revela pesquisa do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). A análise dos dados de pacientes tratados com terapia medicamentosa mostrou que o índice que relaciona a contagem de dois subtipos de células de defesa do sangue, os neutrófilos e os linfócitos, está associado à sobrevida do portador da doença. As conclusões da pesquisa estão em artigo na revista Molecular and Clinical Oncology.

“O tipo de câncer analisado foi o carcinoma hepatocelular, ou câncer de fígado”, explica ao Jornal da USP o pesquisador Leonardo Gomes da Fonseca, do HC e do Icesp, autor do trabalho. “É a sexta neoplasia mais incidente no mundo, com aproximadamente 900 mil casos novos por ano, e a terceira mais letal, com cerca de 830 mil mortes. No Brasil, a incidência é de 4,5 casos por 100 mil habitantes.”

Segundo o pesquisador, existem outros métodos para prever a sobrevida dos pacientes. “O mais comum na rotina médica é fazer um exame de imagem do tipo tomografia”, relata. “Se há crescimento do tumor, é um sinal de pior sobrevida, se há redução, é um indício de melhor sobrevida.”

A pesquisa analisou 373 pacientes com câncer de fígado avançado. “Todos eles tinham diagnóstico de carcinoma hepatocelular fora das possibilidades de tratamento curativo e indicação de tratamento medicamentoso, com objetivo de aumentar a sobrevida. O medicamento que os pacientes utilizaram foi o sorafenibe”, relata Fonseca. “Nós verificamos quais características são preditoras de melhor ou pior sobrevida, incluindo o impacto de índices inflamatórios medidos facilmente na prática clínica através de exames de rotina, como a razão entre a contagem de neutrófilos e linfócitos. Este índice é um marcador de estado inflamatório sistêmico.”

Sobrevida

“Os neutrófilos e linfócitos são dois subtipos de leucócitos, ou glóbulos brancos, células que circulam no sangue e têm diferentes funções ligadas ao nosso sistema imunológico, como a defesa contra infecções”, observa o pesquisador. “Eles também parecem participar da reação imunológica relacionada ao câncer. Por exemplo, os linfócitos podem ser ativados e destruir células tumorais; os neutrófilos ativariam uma inflamação que facilita a progressão do câncer. Por essa razão, ambos têm relação com a sobrevida do paciente.”

O estudo verificou que a principal causa de câncer de fígado entre a população estudada é a infecção pelo vírus da hepatite C, seguida por hepatite B, álcool e doença hepática gordurosa. “Nós concluímos também que a razão entre a contagem de neutrófilos e linfócitos é capaz de predizer a sobrevida dos pacientes, quando medida no início do tratamento”, destaca Fonseca. “Quando o índice se encontra elevado, a sobrevida é menor. Além disso, as mudanças dinâmicas desta razão no primeiro mês de tratamento melhoram a capacidade preditiva do índice.”

“Concluímos que os índices inflamatórios podem auxiliar o médico na definição prognóstica, além de servir como base para desenho de estudos futuros direcionados a subgrupos de pacientes com carcinoma hepatocelular com diferentes riscos de mortalidade”, aponta o pesquisador. “Estes achados sugerem que há uma provável interação entre tratamento, sistema imunológico e o câncer, que impacta nos desfechos dos pacientes.”

A pesquisa foi orientada pelo professor Flair José Carrilho, da FMUSP. As conclusões do estudo são relatadas no artigo Early variation of inflammatory indexes refines prognostic prediction in patients with hepatocellular carcinoma under systemic treatment, publicado em 21 de fevereiro.

Mais informações: e-mail l.fonseca@fm.usp.br, com Leonardo Gomes da Fonseca [1], [2]

[1] Texto de Júlio Bernardes.

[2] Publicação original: https://jornal.usp.br/ciencias/contagem-de-celulas-do-sangue-ajuda-a-prever-sobrevida-no-cancer-de-figado-avancado/.

Como citar este texto: Jornal da USP. Contagem de células do sangue ajuda a prever sobrevida no câncer de fígado avançado.  Texto de Júlio Bernardes. Saense. https://saense.com.br/2023/04/contagem-de-celulas-do-sangue-ajuda-a-prever-sobrevida-no-cancer-de-figado-avancado/. Publicado em 05 de abril (2023).

Notícias do Jornal da USP     Home