UFMG
10/04/2023

Alto consumo de alimentos ultraprocessados intensifica o aumento de colesterol em crianças e adolescentes. Imagem: Agência Brasil

Uma revisão de estudos desenvolvida por pesquisadores da Escola de Enfermagem da UFMG constatou que, segundo parâmetros da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), mais de um quarto das crianças e adolescentes brasileiros (27,4%) têm colesterol alto e 19,2%, 1 em cada 5, alteração no  LDL, também conhecido como “colesterol ruim”. Os pesquisadores analisaram 800 artigos e selecionaram 47, que totalizaram amostra de 62.530 voluntários, entre 2 e 19 anos de idade, residentes em todas as regiões brasileiras.

Segundo o pós-doutorando do Programa de Pós-graduação em Enfermagem Thales Philipe Rodrigues da Silva, um dos autores do estudo, a metodologia utilizada exige ponderação ao analisar os resultados encontrados. “Observamos uma prevalência importante de alteração nos níveis do perfil lipídico. Porém, constatamos resultados muito heterogêneos porque os trabalhos usaram diferentes padrões para estabelecer os níveis de colesterol”, explica.

Thales destaca que a análise dos resultados foi elaborada segundo os parâmetros da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e da National Heart, Lung and Blood Institute (NHLBI), dos EUA. “Os parâmetros estadunidenses são mais conservadores. Lá o colesterol é considerado elevado quando está acima de 200. Aqui, o limite é de 190 para adultos e 170 para crianças, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia e de Pediatria. Assim, para as referências tradicionais internacionais, a prevalência de colesterol alto atinge 17,22% das crianças e adolescentes, e, para o Brasil, a porcentagem chega a 19,2%”, explica.

O pesquisador acrescenta que os resultados reforçam a importância de conhecer os perfis lipídicos das crianças e adolescentes. Ele também destaca a importância de  recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria para desenvolver intervenções precoces nesse público, além da promoção de hábitos saudáveis que ajudam a evitar alterações nos perfis lipídicos e suas consequências. 

“Diversas condições e aspectos são capazes de alterar o nível de colesterol no sangue, e muitos fatores de risco são modificáveis com mudanças no estilo de vida. A pesquisa mostrou que o alto consumo de alimentos ultraprocessados é intensificador do aumento de colesterol. É preciso, portanto, reduzir esse consumo, e a prática de atividades físicas e a diminuição do tempo de uso de aparelhos eletrônicos são medidas auxiliares na prevenção e diminuição do problema”, conclui.

Artigo: Total cholesterol and low-density lipoprotein alterations in children and adolescents from Brazil: a prevalence meta-analysis
Autores: Thales Philipe Rodrigues da Silva, Larissa Loures Mendes, Virgínia Maria Jorge Barreto, Fernanda Penido Matozinhos e Camila Kümmel Duarte
Publicado no periódico Arquivos de Endocrinologia e Metabolismo

(Com Assessoria de Comunicação da Escola de Enfermagem) [1]

[1] Publicação original: https://ufmg.br/comunicacao/noticias/mais-de-um-quarto-das-criancas-e-adolescentes-brasileiros-apresentam-colesterol-alto

Como citar este texto: UFMG. Mais de um quarto das crianças e adolescentes brasileiros tem colesterol alto. Saense. https://saense.com.br/2023/04/mais-de-um-quarto-das-criancas-e-adolescentes-brasileiros-tem-colesterol-alto/. Publicado em 10 de abril (2023).

Notícias científicas da UFMG     Home