ESO
04/07/2023

Imagem da nebulosa Sh2-284 obtida pelo VLT Survey Telescope

Esta nuvem vermelha e laranja, parte da nebulosa Sh2-284, foi capturada com todo o detalhe pelo VLT Survey Telescope, no Observatório Europeu do Sul (ESO). A nebulosa encontra-se repleta de estrelas jovens, já que gás e poeira coalescem nesta nuvem para formar novos sóis. Se olharmos para a nuvem como um todo talvez vejamos a cara de um gato que nos sorri.

A maternidade estelar Sh2-284 é uma vasta região de gás e poeira e a sua zona mais brilhante, visível nesta imagem, tem uma dimensão de cerca de 150 anos-luz (mais de 1400 biliões de km). Situa-se a aproximadamente 15000 anos-luz de distância da Terra na constelação do Unicórnio.

Aninhado no centro da parte mais brilhante da nebulosa, mesmo por baixo do “focinho do gato”, encontra-se um enxame de estrelas jovens conhecido por Dolidze 25, que produz enormes quantidades de radiação e ventos fortes. A radiação é suficientemente intensa para ionizar o hidrogénio gasoso na nuvem, o que dá origem às brilhantes cores vermelhas e laranjas. É em nuvens como esta que residem os blocos constituintes de novas estrelas.

Os ventos do enxame central de estrelas empurram o gás e a poeira para fora da nebulosa, criando um espaço vazio no seu centro. Ao encontrar zonas mais densas de material, que oferecem mais resistência à erosão, os ventos varrem primeiro as áreas que as rodeiam, criando vários pilares, que apontam para o centro da nebulosa. Podemos ver estas estruturas ao longo das fronteiras de Sh2-284, como por exemplo o que vemos do lado direito da imagem. Apesar destes pilares parecerem pequenos, a verdade é que têm uma dimensão de vários anos-luz e contêm enormes quantidades de gás e poeira, a partir dos quais se formam novas estrelas.

Esta imagem foi criada a partir de dados obtidos pelo VST Survey Telescope (VST), propriedade do Instituto Nacional de Astrofísica italiano (INAF) e acolhido pelo ESO no seu Observatório do Paranal, no Chile. O VST dedica-se a mapear o céu austral no visível com o auxílio da sua câmara de 256 milhões de pixels especialmente concebida obter imagens de campo muito largo. Esta imagem foi obtida no âmbito do rastreio VPHAS+ (VST Photometric Hα Survey of the Southern Galactic Plane and Bulge), que estudou mais de 500 milhões de objetos da nossa Galáxia, ajudando-nos a compreender melhor o nascimento, vida e morte eventual das estrelas existentes na nossa Via Láctea. [1], [2]

[1] Este texto foi traduzido por Margarida Serote

[2] Publicação original: https://www.eso.org/public/portugal/news/eso2309/

Como citar este texto: ESO. Nebulosa do “gato sorridente” capturada em nova imagem do ESO. Tradução de Margarida Serote. Saense. https://saense.com.br/2023/07/nebulosa-do-gato-sorridente-capturada-em-nova-imagem-do-eso/. Publicado em 04 de julho (2023).

Notícias científicas do ESO     Home