Embrapa
04/07/2023

Criptomeria conhecida popularmente como cedro japonês. Foto: Marcus Matallo

Pesquisadores da Embrapa e do Instituto Biológico desenvolveram um método de extração da molécula do ácido chiquímico, composto chave na síntese do antiviral Tamiflu, a partir de uma nova fonte biológica, uma árvore natural do Japão. O ácido é extraído das folhas da Criptomeria japonica, um cipreste de grande porte conhecido nos países de língua portuguesa como cedro japonês.

Cryptomeria revelou-se uma fonte renovável e confiável do ácido, já que tem um crescimento rápido e boa adaptação ao clima e solo da região sul do Brasil, potencializando a ampla produção desse ácido em escala comercial.

Atualmente, o ácido chiquímico é preponderantemente extraído das plantas Illicium verum, popularmente conhecida como estrela chinesa, que cresce na região setentrional da China, e Illicium anisatum, nativa do Japão.  Ele vem sendo utilizado como precursor para a síntese do fosfato de oseltamivir, fármaco semi-sintético, que age contra diversas variantes de vírus influenza, incluindo o H1N1 e H5N1, sendo considerado o mais eficiente tratamento contra a gripe aviária. 

Por conta disso, o ácido chiquímico é um produto químico valioso que tem atraído a atenção mundial devido à sua aplicação farmacêutica, sendo considerado como “commodity química”. 

De acordo com o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Antonio Cerdeira, o Tamiflu é tão importante que os países têm reserva estratégica desse medicamento. Por isso, o interesse pelo ácido chiquímico tem apresentado um forte incremento nos últimos anos devido à crescente demanda da indústria farmacêutica e cosmética, explica o pesquisador.  

A diversificada gama de possibilidades de biossínteses a partir de plantas e microrganismos contribui significativamente para o fornecimento de uma variedade de estruturas químicas, que são a base fundamental de muitos produtos de grande interesse industrial pelo mundo. 

Para o pesquisador do Instituto Biológico Marcus Matallo, a capacidade de produzir produtos valiosos por meio de processos biológicos, utilizando diversos microrganismos e plantas tem se mostrado uma rota versátil e promissora para obtenção de fontes de matéria prima. 

Assim, acredita ele, as indústrias químicas perceberam a utilidade de biossistemas para mediar efetivamente a conversão química para a produção de compostos bioativos importantes.  

Pesquisa

Os experimentos foram implantados em conjunto com o Laboratório de Ciências das Plantas Daninhas (LCPD) do Centro Experimental do Instituto Biológico (CEIB) em Campinas, SP.

Tamiflu

O antiviral oseltamivir (fosfato de oseltamivir), de nome comercial Tamiflu, reduz a proliferação dos vírus da gripe, influenza A e B, por meio da inibição da liberação de vírus de células já infectadas, da entrada do vírus em células ainda não infectadas e da propagação do vírus no organismo. Com isso, o medicamento promove a redução duração dos sinais e sintomas da gripe, da gravidade da doença e da incidência de complicações associadas à gripe.

estudo completo de Marcus Matallo, Sydney de Almeida, Daniel Franco do Instituto Biológico; Sonia Queiroz e Antonio Cerdeira da Embrapa Meio Ambiente foi publicado no Livro Ciência das Plantas: desafios e potencialidades em pesquisa. [1], [2]

[1] Texto de Cristina Tordin

[2] Publicação original: https://www.embrapa.br/en/busca-de-noticias/-/noticia/81488267/pesquisadores-descobrem-nova-fonte-para-obter-o-acido-essencial-para-fabricacao-do-tamiflu

Como citar este texto: Embrapa. Pesquisadores descobrem nova fonte para obter o ácido essencial para fabricação do Tamiflu.  Texto de Cristina Tordin. Saense. https://saense.com.br/2023/07/pesquisadores-descobrem-nova-fonte-para-obter-o-acido-essencial-para-fabricacao-do-tamiflu/. Publicado em 04 de julho (2023).

Notícias da Embrapa     Home