Jornal da USP
20/09/2023

Pesquisadores estabeleceram e validaram um método de altíssima performance para análise no plasma sanguíneo de moléculas que podem se tornar marcadores para o monitoramento da ELA – Foto: vecstock/Freepik

Também conhecidos como gorduras, os lipídios são uma classe diversificada de moléculas com inúmeras funções nos seres vivos, desde a reserva de energia até a regulação de processos celulares fundamentais. Lipídios que passam pelo processo de oxidação, reagindo com o oxigênio, têm recebido muita atenção de pesquisadores atualmente por estarem relacionados com inflamação e sinalização celular, e também com o estresse oxidativo – desequilíbrio entre a produção de espécies reativas de oxigênio e a sua remoção, o que causa danos à célula.

Um exemplo são as oxilipinas, moléculas derivadas da oxidação de ácidos graxos que têm sido associadas a doenças neurodegenerativas. No Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) Redoxoma, sediado na USP, cientistas desenvolveram um método para avaliar como as oxilipinas se apresentam na esclerose lateral amiotrófica (ELA), doença em que há disfunção progressiva e morte dos neurônios motores no cérebro e na medula espinhal.

Liderados por Sayuri Miyamoto, do Instituto de Química (IQ) da USP, os pesquisadores estabeleceram e validaram um método de altíssima performance para análise simultânea de 126 oxilipinas no plasma sanguíneo. A inovação foram as ferramentas utilizadas: a cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massas de alta resolução.

A cromatografia líquida é uma técnica para separar componentes de uma mistura. Já a espectrometria de massas é usada para identificar e quantificar moléculas pela medição da sua massa e caracterização de sua estrutura química.

Com isso, os pesquisadores analisaram o plasma de um modelo animal de ELA e descobriram oxilipinas alteradas nos animais sintomáticos. As diferenças nas moléculas refletem estresse oxidativo, inflamação e hipermetabolismo (degradação excessiva) de lipídios.

Alterações no metabolismo lipídico, inflamação crônica e estresse oxidativo estão fortemente ligados à progressão da ELA, que leva à atrofia muscular, paralisia e morte do paciente. Segundo os pesquisadores, as oxilipinas poderiam se tornar marcadores para o monitoramento da evolução da doença.

“O método foi a chave desse trabalho. A grande maioria dos métodos usa espectrometria de massas de baixa resolução para quantificar oxilipinas e outras moléculas, técnica com alta sensibilidade, mas não um poder muito grande de caracterização. Já com a espectrometria de massas de alta resolução, temos muito mais acurácia na caracterização das oxilipinas e ainda com alta sensibilidade. Unimos os dois aspectos mais relevantes e caracterizamos com o máximo possível de exatidão uma gama muito grande de oxilipinas”, afirma Adriano B. Chaves-Filho, que desenvolveu a pesquisa como projeto de pós-doutorado e é o primeiro autor do artigo publicado na revista Free Radical Biology and Medicine.

Os pesquisadores ressaltam que realizar uma análise global e abrangente de oxilipinas ainda é um desafio, já que elas são muito diversas e têm uma estrutura complexa. “Muitas delas compartilham a mesma fórmula molecular, a mesma quantidade de carbono, de oxigênio, de hidrogênio, só o arranjo desses átomos é diferente”, diz Chaves-Filho. Soma-se a isso a instabilidade química dessas moléculas e sua baixa concentração em amostras biológicas.

Daí a importância da ferramenta de análise, que possibilita investigar o perfil das oxilipinas não só em ELA, mas também em outras doenças. “Seria interessante se a gente pudesse fazer um estudo comparativo da ELA com outras doenças neurodegenerativas, como Alzheimer, por exemplo, e ver se esse perfil é diferente – porque o interessante quando a gente faz uma análise é estabelecer um perfil, um painel de oxilipinas alteradas. A gente pode ter perfis diferentes que sejam bem característicos para cada doença”, explica Sayuri Miyamoto.

A pesquisa foi realizada com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Neurodegenerative Disease Research, Inc. (NDR) e contou com a colaboração dos grupos dos pesquisadores Marisa H.G. Medeiros (IQ-USP), Isaías Glezer (Unifesp), ambos do Cepid Redoxoma, e William T. Festuccia (ICB-USP).

Mais informações: e-mails miyamoto@iq.usp.br e adrianobcfilho@usp.br [1], [2]

[1] Texto: Redação (Adaptado do site do Cepid Redoxoma, com edição de Luiza Caires).

[2] Publicação original: https://jornal.usp.br/ciencias/tecnica-pode-ajudar-a-monitorar-progressao-da-esclerose-lateral-amiotrofica/.

Como citar este texto: Jornal da USP. Técnica pode ajudar a monitorar progressão da esclerose lateral amiotrófica. Saense. https://saense.com.br/2023/09/tecnica-pode-ajudar-a-monitorar-progressao-da-esclerose-lateral-amiotrofica/. Publicado em 20 de setembro (2023).

Notícias do Jornal da USP     Home