Agência FAPESP
11/04/2023

Pesquisadores da UFSCar observaram mudanças simultâneas no controle nervoso da frequência cardíaca em repouso, na capacidade de captação, transporte e consumo de oxigênio durante o exercício e no padrão de metabólitos presentes no sangue (foto: Freepik)

Maria Fernanda Ziegler | Agência FAPESP – Estudo feito com 118 pessoas saudáveis de diferentes faixas etárias mostra que é a partir dos 60 anos que se tornam mais evidentes os prejuízos causados pelo envelhecimento no controle da frequência cardíaca em repouso e na aptidão cardiorrespiratória, ou seja, na capacidade do corpo de captar (sistema respiratório), transportar (sistema cardiovascular) e consumir (músculos) oxigênio durante o exercício físico. Contudo, foram observadas certas alterações no perfil metabólico, isto é, na concentração de substâncias no sangue, que aparentemente estão relacionadas com a mitigação dos efeitos deletérios da senescência.

“Estudar o envelhecimento é importante, pois ele causa alterações em vários dos nossos sistemas orgânicos. O metabolismo tem sido bastante estudado, assim como a modulação autonômica cardíaca [o controle da frequência cardíaca pelo sistema nervoso] e a aptidão cardiorrespiratória, porém, quase sempre de maneira isolada. Em nosso estudo, buscamos investigar as mudanças decorrentes do processo de envelhecimento de forma integrada. Ao analisar esses três componentes concomitantemente, descobrimos um possível ponto de virada do envelhecimento aos 60 anos de idade. Embora a senescência seja um processo que dure décadas, é principalmente após os 60 anos que as alterações nos três componentes analisados se tornam mais significativas”, revela Aparecida Maria Catai, professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e coordenadora da pesquisa.

Divulgado na revista Scientific Reports, o estudo teve apoio da FAPESP por meio de um Projeto Temático.

“Com o passar do tempo, o organismo, mesmo em pessoas saudáveis, vai apresentando alguns comprometimentos. Por causa disso, vão sendo realizados alguns ‘ajustes fisiológicos’ para que ele permaneça em equilíbrio [homeostase]. No entanto, esses mecanismos são limitados e vão se exaurindo com o avançar da idade. Identificamos neste estudo que algumas alterações nos níveis séricos de certos metabólitos podem ter relação com esses mecanismos homeostáticos”, explica Étore de Favari Signini, bolsista de doutorado da FAPESP e primeiro autor do artigo.

Dessa forma, os pesquisadores observaram que alguns metabólitos podem estar associados à mitigação dos efeitos deletérios do envelhecimento. “Trata-se do aumento significativo, na faixa entre 60 e 70 anos, dos níveis séricos de ácido hipúrico, um metabólito associado a uma série de funções diferentes, entre elas a diversidade da microbiota intestinal e a saúde metabólica”, explica o pesquisador. O achado pode contribuir para novas estratégias direcionadas a reduzir os efeitos deletérios do envelhecimento.

Os pesquisadores ressaltam que, embora o aumento desse metabólito possa indicar prejuízos na função renal, estudos recentes têm proposto que o ácido hipúrico pode ser um marcador e um mediador da saúde metabólica, podendo ter relação com a complexidade da microbiota intestinal (com influência direta na absorção de nutrientes no intestino) e um possível efeito protetor sobre as células beta do pâncreas.

“Como se tratava de idosos aparentemente saudáveis, sem nenhum indicativo de comprometimento renal, sugerimos que o aumento do ácido hipúrico estaria ligado ao enriquecimento da microbiota intestinal e, por consequência, à melhor absorção de nutrientes no intestino. E sabemos que, quanto melhor a absorção intestinal de nutrientes, considerando o contexto de envelhecimento, melhor a saúde do organismo no geral”, diz.

Outro aspecto importante investigado pelos pesquisadores foi a redução de aminoácidos essenciais, como valina, leucina e isoleucina – conhecidos pela sigla BCAAs (que em inglês significa aminoácidos de cadeia ramificada).

“O decaimento de BCAAs no envelhecimento saudável pode estar atrelado a uma estratégia do organismo para se preservar. Sabemos que os BCAAs estão diretamente ligados à síntese proteica. E, com o envelhecimento, a atividade anabólica vai decaindo”, afirma.

Signini ressalta que os benefícios de uma suplementação de BCAAs em idosos, com o favorecimento da síntese proteica, ainda é um assunto muito discutido. “A redução da atividade anabólica [que nesse contexto possui relação com a redução dos níveis de BCAAs séricos] também tem sido destacada, até certo ponto, como algo benéfico segundo alguns estudos”, afirma.

“Pesquisas têm apontado que a atividade anabólica acentuada no contexto em que há diversos comprometimentos na maquinaria celular, como, por exemplo, na função de organelas e de enzimas, pode trazer consequências indesejadas, entre elas o câncer”, completa.

Metodologia

O objetivo do trabalho foi avaliar questões relacionadas ao metabolismo, à modulação autonômica cardíaca e à aptidão cardiorrespiratória em 118 indivíduos divididos em cinco grupos etários (20-29 anos, 30-39, 40-49, 50-59, 60-70). Foram incluídos em todas as faixas etárias apenas participantes aparentemente saudáveis, ou seja, sem diagnóstico de comprometimento cardiovascular, respiratório ou relacionado ao metabolismo, como síndrome metabólica, obesidade ou diabetes. Além de passar por uma rigorosa bateria de exames e testes, os voluntários também não podiam tomar medicamentos controlados, como, por exemplo, para hipertensão.

Para avaliar a aptidão cardiorrespiratória, todos realizaram o teste de exercício cardiopulmonar, que permite medir o consumo máximo de oxigênio. As análises sobre modulação autonômica cardíaca foram feitas por meio da aferição da variabilidade dos períodos cardíacos, na condição de repouso e com os indivíduos na posição supina (deitado de costas). Já o metabolismo foi investigado por meio de metabolômica (análise do conjunto de metabólitos presentes), a partir de amostras de soro sanguíneo dos indivíduos.

Essas análises foram conduzidas nos departamentos de Fisioterapia e de Química da UFSCar, em laboratórios coordenados por Catai, Regina Vincenzi Oliveira e Antonio Gilberto Ferreira.

Os pesquisadores ressaltam que as alterações observadas durante o envelhecimento, sobretudo depois dos 60 anos, estão relacionadas a mudanças funcionais e estruturais nos sistemas orgânicos que se refletem na modulação autonômica cardíaca e na capacidade do corpo de gerar energia a partir da captação, do transporte e consumo de oxigênio.

Vale destacar que, enquanto o sistema nervoso autônomo (que funciona quando o indivíduo está em repouso ou de modo involuntário para que ocorram os batimentos cardíacos, por exemplo) desempenha um papel no controle, na manutenção e regulação das funções vitais do organismo, o consumo de oxigênio pico (termo que se refere à maior taxa de consumo de oxigênio durante exercício exaustivo) é resultado da maior capacidade de atividade integrada do metabolismo com os sistemas muscular, cardiovascular, respiratório e nervoso e está relacionado com a aptidão cardiorrespiratória, como explica Signini.

Segundo o pesquisador, é esperado que a aptidão cardiorrespiratória decaia em função do avançar da idade em decorrência de alterações em diversos sistemas do organismo que acabam comprometendo a captação, o transporte e consumo de oxigênio.

Estudos anteriores já haviam mostrado existir uma relação entre envelhecimento fisiológico e o desequilíbrio na modulação autonômica cardíaca – incluindo aumento na modulação simpática e redução na modulação parassimpática sobre o coração em condição de repouso.

“A modulação autonômica cardíaca permite que nosso corpo transponha estresses físicos e, ao mesmo tempo, mantenha-se em homeostase, por meio do equilíbrio entre as modulações simpática e parassimpática cardíaca”, diz.

Ele explica que, conforme ocorre o processo de envelhecimento, surgem dificuldades na manutenção dessa modulação. “Portanto, com o tempo, em condições de repouso, ocorre uma maior modulação simpática e, em contrapartida, uma redução da modulação parassimpática, o que resulta em mais estresse para o organismo”, explica.

O artigo Integrative perspective of the healthy aging process considering the metabolome, cardiac autonomic modulation and cardiorespiratory fitness evaluated in age groups pode ser lido em: www.nature.com/articles/s41598-022-25747-5.
Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

Como citar este texto: Agência FAPESP. Efeitos do envelhecimento no organismo se tornam mais evidentes após os 60 anos, mostra estudo.  Texto de Maria Fernanda Ziegler. Saense. https://saense.com.br/2023/04/efeitos-do-envelhecimento-no-organismo-se-tornam-mais-evidentes-apos-os-60-anos-mostra-estudo/. Publicado em 11 de abril (2023).

Notícias científicas da Agência FAPESP     Home