Agência FAPESP
12/02/2024

Resultados mostram que a vacina bivalente tem uma capacidade maior de neutralizar vírus mais recentes, como ômicron e suas subvariantes (foto: Fábio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)

Julia Moióli | Agência FAPESP – A vacina bivalente contra a COVID-19 induz a produção de anticorpos neutralizantes contra o coronavírus que circulou no início de pandemia e também contra subvariantes da ômicron, embora em menor quantidade, aponta estudo brasileiro publicado no Journal of Medical Virology, uma das mais conceituadas da área de virologia médica.

Além de atestar a eficácia e a importância do imunizante no controle da doença, cujos casos voltaram a aumentar no último mês em diversos Estados do país, o trabalho indica que, a partir de agora, o modelo de vacinação deve se assemelhar ao da gripe, com ajustes frequentes na formulação para priorizar variantes mais recentes.

Foi a primeira vez que uma pesquisa avaliou a imunidade induzida pela vacina Cominarty Bivalente BA.4/BA.5, produzida pela farmacêutica Pfizer, em cenário de população real de vacinados no Brasil. Cerca de cem voluntários saudáveis, com idades entre 16 e 84 anos, da cidade de Barreiras, no Estado da Bahia, tiveram seus níveis de anticorpos neutralizantes (capazes de neutralizar o vírus e impedir a infecção) analisados. Parte deles havia tomado três ou quatro doses de vacinas monovalentes, como Coronavac (Instituto Butantan/Sinovac), Covishield (Oxford/AstraZeneca), Janssen e Pfizer, que eram baseadas apenas no vírus original (oriundo de Wuhan, China), enquanto outros receberam como quinta dose a bivalente, que contém em sua formulação componentes do coronavírus original e das subvariantes BA.4 e BA.5 de ômicron.

Os ensaios de avaliação da capacidade de neutralização dos anticorpos foram feitos com diferentes estirpes do coronavírus SARS-CoV-2: original (do início de pandemia); ômicron, predominante no ano de 2021; e subvariantes FE.1.2 e BQ.1.1 de ômicron, que dominaram o cenário epidemiológico no país mais recentemente.

Financiado pela FAPESP (projetos 20/05204‐7, 20/06409‐1, 20/08943‐5, 21/05661‐1, 22/11981‐1 e 23/01925‐0) e pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o estudo mostrou que a vacina bivalente induz reforço da resposta imune e tem uma capacidade maior de neutralizar vírus mais recentes, como ômicron e suas subvariantes, em comparação com indivíduos não vacinados com o novo imunizante. Entretanto, seu foco principal ainda é contra o coronavírus original, dominante no início da pandemia, o que gera uma espécie de competição, limitando a imunidade a médio e longo prazo contra os vírus mais novos, que têm mais importância epidemiológica atualmente.

“Esse resultado era esperado, uma vez que a memória imunológica se baseia em células capazes de reconhecer frações do vírus e é reforçada pelo número de contatos com o contaminante”, explica Jaime Henrique Amorim, pesquisador visitante no Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) e coordenador do estudo. “Por natureza, o sistema imune vai sempre reagir melhor contra aquilo que já conhece e os voluntários imunizados com a vacina bivalente já haviam tomado quatro doses anteriores de monovalentes”, acrescenta ele, que também é professor da Universidade Federal do Oeste da Bahia (Ufob).

Modelo para o futuro

“Controlar um vírus com capacidade de transmissão tão elevada como o SARS-CoV-2 requer uma cobertura vacinal também elevada”, afirma Luís Carlos de Souza Ferreira, coordenador do Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas do ICB-USP. “O trabalho deixa claro que a vacina bivalente é o caminho correto para se atingir a imunidade contra as subvariantes de ômicron e, portanto, sua administração tem sido fundamental para controlar as novas variantes.”

De acordo com os pesquisadores, a pesquisa traz outra informação relevante para o planejamento futuro da política de vacinação: por induzir uma resposta imunológica predominantemente voltada para o vírus original, que não está mais em circulação desde 2020, a vacina atual deve ter sua formulação ajustada para não mais incluir esses componentes.

“As próximas doses devem levar em conta os vírus que circulam no momento e não mais os que desapareceram, para que a imunidade seja atualizada e reforçada de acordo com o cenário epidemiológico vigente, de forma semelhante ao que se faz contra o vírus influenza, da gripe”, explica Amorim.

A primeira autoria do trabalho é dividida pelas pesquisadoras Milena Silva Souza e Jéssica Pires Farias, ambas da Ufob, em parceria com outras instituições do Brasil e dos Estados Unidos.

O artigo Neutralizing antibody response after immunization with a COVID‐19 bivalent vaccine: Insights to the future pode ser lido em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/jmv.29416.

Como citar este texto: Agência FAPESP. Estudo atesta eficácia da vacina bivalente contra COVID-19. Texto de Julia Moióli. Saense. https://saense.com.br/2024/02/estudo-atesta-eficacia-da-vacina-bivalente-contra-covid-19/. Publicado em 12 de fevereiro (2024).

Notícias científicas da Agência FAPESP Home